Carlos Fialho escreve às segundas-feiras na agência Saiba Mais

Ótimas pessoas

De vez em quando, tem uns desentendimentos, mas é tudo resolvido com diálogo, não é como as baixarias que têm por aí. Porque aqui é condomínio de casas, tá, querida? Não é loteamento não, como me perguntou aquela invejosa da Claudete,

O historiador Durval Muniz escreve aos domingos na agência Saiba Mais

Qual o nosso Estado?

. E um Estado ilegítimo, quase sempre apela para a coerção, para a violência, momento em que ele perde ainda mais legitimidade. Num momento em que a midia, fonte de legitimação do poder, trabalha no solapamento da vida política, da própria cidadania, cabe a nós, membros e, ao mesmo tempo, fonte da legitimidade do Estado, tentar evitar o total esfacelamento do Estado.

João Victor escreve aos sábados

Quando vamos entender a polícia?

A paralisação das polícias já chega na terceira semana, enfrentando o oportunismo de um judiciário com agenda eleitoral, a pressão de setores do empresariado e os problemas diários causados pela falta de dinheiro.

É preciso, mais uma vez, exorcizar o fantasma da censura

O fantasma da censura, que até pouco tempo parecia ser coisa do passado, definitivamente exorcizado, volta a assustar o nosso país, causando ainda mais preocupação por ter reencarnado em quem justamente teria o dever de evitá-la, o Poder Judiciário.

Retrospectiva 2017

Mesmo que todos os estudos apontem que o potencial bélico, nuclear dos E.U.A sejam mais de 200 vezes o da Coreia do Norte, nossa imprensa golpista de direita continua a considerar a Coreia do Norte uma “ameaça cada vez mais próxima”, de quem??? 

Eveline Sin escreve às quartas-feiras na agência Saiba Mais

O primeiro texto de 2018

eu sou metida a falar de tudo. ainda bem que minha porta aqui é a cultura. assim permito abri-la pra o que me tira do lugar. imagino que já criei uma forma de falar com vocês e espero muito que isso continue vivo.

Nicolelis suspende projeto de Educação Científica no RN após corte de verba pelo MEC

Centros de Educação Científica ofereciam oficinas a 1.400 alunos em Macaíba e Natal, no Rio Grande do Norte, e em Serrinha, na Bahia. Corte de R$ 7,5 milhões por ano inviabilizou continuidade do projeto

Carlos Fialho escreve às segundas-feiras na agência Saiba Mais

Não contém glúten!

 Se for confirmado que o “Homem Glúten e Lactose” veio pra ficar, é possível que todos nós que insistimos em nos alimentar de forma, digamos, rudimentar (para não dizer primitiva) sejamos descontinuados pela seleção natural.