Jean Wyllys questiona ligação das agências de checagem de fake news
Natal, RN 14 de jul 2024

Jean Wyllys questiona ligação das agências de checagem de fake news

26 de maio de 2018
Jean Wyllys questiona ligação das agências de checagem de fake news

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O deputado federal Jean Wyllis (PSOL) questionou neste sábado (26) a ligação com a mídia hegemônica das agências de checagem de Fake News. Ele participou da mesa Repressão na mídia, na 6ª edição do Encontro de Blogueiros e Midiativistas, ao lado da presidenta da Fenaj Maria José Braga e da coordenadora geral do Fórum pela Democratização da Comunicação Renata Mielli.

A Agência Saiba Mais acompanha o Encontro de Blogueiros e Midiativistas, em São Paulo.

Um dos principais alvos de fake News no Congresso Nacional, Wyllys defende mais transparência nas relações das agências de checagem para que não haja seletividade. A preocupação dele é que o combate às fake news seja usado para aumentar o poder hegemônico da mídia e censurar a mídia independente.

- Quem são as tais agências de checagem de notícias? Atuarão em favor de quem? Vão carimbar como fake news o que prejudica determinados partidos, como o PSDB, ou grandes empresas de comunicação? Qual a ligação delas com a mídia hegemônica ? Quais critérios para definir o que é ou não é fake news ? Quem vai checar a checagem?”

Sobre a repressão da mídia, tema da mesa, ele citou os ataques institucionais:

- A repressão começa antes do golpe, com o Eduardo Cunha, que transforma a comunicação institucional da Câmara em favor dele. Nós, parlamentares de esquerda, fomos proscritos dos programas da TV Câmara. E depois veio o ataque a Empresa Brasileira Comunicação (EBC), que tinha um desenho de comunicação pública, mas começou a ser desmontado.

O deputado federal destacou que a esquerda brasileira sempre negligenciou a importância da comunicação no processo político e classificou como “jornalismo de guerra” o papel que a mídia tradicional vem desempenhando no país.

- Principalmente de 2013 pra cá, a mídia vem produzindo jornalismo de guerra, desonesto intelectualmente, sem permitir que as pessoas interpretam os fatos da política. E isso é uma ameaça à democracia.

Jornalista formado pela UFBA, Jean Wyllys acredita que a grande disputa em curso é a da narrativa:

- A gente vem perdendo a disputa pela narrativa. Porque a esquerda negligenciou o campo da comunicação. Tanto em termos de rede social e de Governo. O governo Lula não deu atenção à comunicação, não fomentou a mídia regional. Li a entrevista do José Dirceu e me chamou a atenção quando ele disse que a esquerda subestimou a direita. Subestimou mesmo, sobretudo na área de comunicação.

Jean Wyllys se divide atualmente entre o trabalho de parlamentar e o de professor do mestrado em HIV pela Uni-Rio. Atuante nas redes sociais, ele contou durante o debate que trabalhou em jornais tradicionais da Bahia, como o Correio da Tarde, ligado à família de Antônio Carlos Magalhães.

O parlamentar também destacou que, entre os 513 deputados federais, é o único que mantém um conselho social no mandato com reuniões a cada dois meses definido tanto a pauta de atuação e até destino de emendas e orçamento.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.