Brasil 2019: Um “pupurri” de emoções sem final previsível
Natal, RN 22 de abr 2024

Brasil 2019: Um “pupurri” de emoções sem final previsível

12 de junho de 2019
Brasil 2019: Um “pupurri” de emoções sem final previsível

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Como era de se prever, neste ano de 2019, de tédio não morreremos. Apesar do Governo Bolsonaro planejar quase diariamente maneiras outras de nos matar a todos. Mas, parece fato que a expectativa com o Governo do "mito" não se concretizou por completo. Imaginávamos um governo de Extrema-Direita com viés liberal, políticas de retiradas de direitos, um certo ar autoritário e sisudez. Bem, os dois primeiros itens, estão presentes, embora realizadas de maneira trôpega. Já o ar autoritário e sisudez deram lugar a ministros trapalhões, idiotas ou alucinados, momentos de esquete de humor e uma total inaptidão ao cargo de Bolsonaro até mesmo para articular duas frases de bom dia.

De qualquer forma, sabíamos que um Governo Bolsonaro seria um pupurri de emoções. A mistura de "manter o palanque de campanha" com desqualificação pura e simples vem rendendo, como dito acima, momentos bizarros e/ou hilários. Mas, as muitas emoções, como diria Roberto Carlos, vêm da pauta de desmontes a cargo da área mais técnica, digamos, e das surpresas como a matéria do The Intercept sobre as relações nada republicanas entre o então juiz hoje ministro Sérgio Moro e o Ministério Público/procuradores da Lava Jato. 

Em relação à equipe de desmonte do Estado, encabeçada por Paulo Guedes e Onyx Lorenzoni, ela, felizmente esbarra na arrogância e articulação destes senhores, agravada pelo fogo amigo do PSL, que se tornou uma rinha de animais de briga. Claro que ainda há risco - e até grande - da Reforma da Previdência versão destruição total ser aprovada, mas, chance menor do que há meses atrás e que se esfarela a cada recuo ou trapalhada do Governo, o que acontece, digamos, diariamente.

Sobre a reportagem do portal The Intercept, comandando pelo jornalista americano radicado no Brasil Glenn Greenwald, essa foi a surpresa da semana dentro do pupurri de emoções, mas, que na verdade, provem de uma série de "telhados de vidro" apresentados por membros do Governo. Como Sérgio Moro, alvo e perdedor maior das matérias de sua repercussão.

A reportagem inicial, que deu início a uma sequência, mostra, como já é supra conhecido, que Moro, então juiz e o Ministério Público responsável pela Operação Lava a Jato, com o procurador Deltan Dallagnol à frente, trocavam mensagens onde planejavam estratégias de acusação e operacionalidade do processo de Lula, inclusive influindo na eleição presidencial ao tramarem a não-realização e divulgação de entrevista com Lula já preso em Curitiba.

Coisa grave, claro. Que já começou a ter desdobramentos. Associações juízes e magistrados e a OAB já sugeriram renúncia ou afastamento de Moro do ministério e boa parte da imprensa repercutiu o material, incluindo aí um editorial do Estadão (veículo da Fiesp e da elite econômica paulista) pedindo a renúncia do ministro. Não é pouca coisa.

Com o somatório de desgaste que Moro e por extensão Bolsonaro (o beneficiado com as estratégias, já que foi eleito porque Lula foi preso e silenciado) sofrerão e a publicação de mais material sobre as mensagens, é de se prever que teremos este resto de semana e as demais ricas em tensões e emoções. De quebra, teremos também as alucinações dos ministros para dar um ar de comédia non-sense a tudo isso e o próprio presidente atrapalhado com as palavras, os gestos, às voltas com o Twitter e sua absoluta capacidade de se entender como presidente de um pais do tamanho do Brasil.

Emoção não faltar nestes dias. Lexotan, nas farmácias de Brasilia e Curitiba, talvez. Mas, para a gente que está na arquibancada, basta a pipoca e a leve sensação de que o mundo, apesar dos terraplanistas, como brincou o jornalista Leonardo Sakamoto, dá voltas. 

 

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.