Sindicatos cobram EPIs para os profissionais de serviços essenciais durante pandemia
Natal, RN 21 de jun 2024

Sindicatos cobram EPIs para os profissionais de serviços essenciais durante pandemia

27 de março de 2020
Sindicatos cobram EPIs para os profissionais de serviços essenciais durante pandemia

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

As entidades sindicais que compõe a mesa do SUS em Natal - SINSENAT, SINDERN, SOERN, SINDSAÚDE, SINDFARN – cobraram na quinta-feira (26) da secretaria Municipal de Saúde um reforço nos equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais de serviços essenciais durante a pandemia.

Uma comissão formada pelos cinco sindicatos foi recebida pelo titular da SMS George Antunes e entregou uma pauta com reivindicações, considerações e recomendações com foco na atividades da atenção primária de saúde e hospitalar no enfrentamento à pandemia.

A coordenadora geral do Sinsenat Soraya Godeiro destacou que o principal motivo do ofício foi a falta de diálogo do poder público com as entidades representativas dos profissionais da saúde, o que tem resultado em medidas que não levam em consideração diversas questões essenciais aos trabalhadores, afetando diretamente na qualidade do serviço oferecido à população potiguar.

“Se hoje não temos o completo caos do sistema de saúde, isso se deve, sobretudo, a seus trabalhadores que dia e noite se dedicam à tarefa de salvar vidas. Por isso, é fundamental dedicar especial atenção aos problemas recorrentes da precariedade da infraestrutura dos equipamentos de saúde e ausência de condições mínima de trabalho para as equipes. Fortalecer e cuidar da capacidade de ação dos agentes de saúde é vital nesse momento”, destacou a sindicalista.

O grupo cobrou o fornecimento de equipamentos de proteção individual necessários ao serviço público de Natal; a atenção de todos os profissionais às normativas previstas nas legislações específicas de cada profissão; o combate diário ao assédio moral nas unidades de saúde; a importância de que os trabalhadores que fazem parte do grupo de risco não estejam na linha de frente na classificação de risco; o fornecimento amplo, por parte do Poder Público, de capacitações que orientem todos os trabalhadores na execução de protocolos específicos; que os próprios profissionais de saúde recebam atendimento em relação a própria saúde.

“O ofício reivindica também a reabertura, o mais rápido possível, da mesa de negociação para tratar das reivindicações dos servidores públicos municipais, como a atualização da matriz-salarial (data-base) e o pagamento dos adicionais e gratificações devidos. Além de serem direitos reconhecidos em lei, nesse momento de crise a situação financeira dos servidores e suas famílias tem se agravado ainda mais”, ressaltou.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.