Empresa de call center impede entrada de equipe de fiscalização da Sesap na empresa
Natal, RN 26 de mai 2024

Empresa de call center impede entrada de equipe de fiscalização da Sesap na empresa

3 de abril de 2020
Empresa de call center impede entrada de equipe de fiscalização da Sesap na empresa

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Uma equipe de fiscalização da secretaria estadual de Saúde Pública foi barrada na quinta-feira (2), quando tentava entrar em uma das unidades da empresa de Call Center Teleperformance. O objetivo da visita era verificar se as medidas e condições determinadas pelo Ministério Público do Trabalho e pelo Governo do Estado para a prevenção de contágio pela Covid-19 estavam sendo cumpridas.

O episódio aconteceu na Teleperformance de São Gonçalo do Amarante, região metropolitana de Natal, e a tentativa de acompanhamento presencial da situação se deu pelo recebimento diário de reclamações e denúncias de funcionários da empresa, que continuam trabalhando diante situação de pandemia.

A vistoria foi executada por equipe do Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador da SESAP. A assessoria da pasta informou que após a resposta negativa da empresa, o órgão encaminhou um relatório para o Ministério Público do Trabalho explicando a situação e solicitando providências.

A subcoordenadora do Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador da SESAP, Kelly Barros, explicou que as medidas a serem fiscalizadas devem ser cumpridas como forma de cuidado com cada pessoa que circula dentro da empresa.

"Para todas as empresas que estamos fiscalizando é necessário o cumprimento de medidas como a diminuição do efetivo de trabalho dando férias coletivas ou instituindo teletrabalho, medida possível para a empresa Teleperformance. Também é recomendado a afastamento a pessoas que apresentem sintomas de gripe por 14 dias, sem qualquer prejuízo aos salários. Além disso, indicamos que haja a conscientização desses funcionários quanto a importância dos cuidados de prevenção, bem como deve a empresa disponibilizar produtos de higiene de forma ininterrupta", esclarece a subcoordenadora.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do RN (Sinttel/RN), Iara Martins, a empresa não permite qualquer diálogo conclusivo sobre a situação dos trabalhadores.

"Nós temos recebido reclamações e denúncias diárias e tentamos tratativas com a empresa, que sempre nos dá respostas genéricas, inconclusivas dificultando a resolução desses problemas. Não recebemos qualquer informação sobre o número de funcionários liberados ou que estão cumprindo regime de banco de horas", relata Iara.

Alguns funcionários de Call Centers do RN denunciaram à Agência Saiba Mais a situação vivida nas empresas. 

O SINTTEL e o MPT/RN tem insistido em cobranças da empresa, para fazer cumprir as recomendações de higiene, distância mínima e liberação de funcionários em grupos de risco para a Covid-19. O Sindicato solicitou a todas as empresas de teleatendimento que atuam no Estado - AeC, Contact Center Riachuelo e Teleperformance - que informem sobre os planos de contingência emergencial adotados.

Segundo a presidente do Sinttel, a maior dificuldade tem sido com a TP. Já a AeC e Contact Center Riachuelo têm respondido aos questionamentos e esclarecido sobre as medidas de prevenção tomadas.

"Nós nunca conseguimos um diálogo assertivo com a Teleperformance e, desde o início da pandemia que tentamos, até hoje recebemos diariamente reclamações de funcionários relatando que não tem álcool em gel suficiente, que tem mulheres grávidas e pessoas com doenças crônicas ainda indo trabalhar. E no caso dos que foram afastados, precisamos saber em quais condições, que documentos esse trabalhador teve que assinar. Estamos sempre levando essas denúncias ao MPT e sabemos que as medidas tomadas pela empresa até então são insuficientes", disse Iara Martins.

O Governo do Estado publicou um novo decreto na quinta-feira (02) que consolida as medidas de saúde para enfrentamento ao Coronavírus. Para o setor de teleatendimento, o decreto dispõe que os estabelecimentos devem observar a distância mínima de dois metros entre funcionários, clientes e usuários, sob pena de multa e interdição.

Também é recomendado através do decreto 29.583 que não se podem compartilhar equipamentos de uso pessoal, como headsets e microfones. Ainda segundo a recomendação estadual, os call centers devem reduzir sua força de trabalho em 50% por turno. O descumprimento das condições pode ser denunciado ao Sinttel através do instagram @sinttelrn ou ao Ministério Público do Trabalho por meio do site http://www.prt21.mpt.mp.br/

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.