Livro de receitas virtual traz itens produzidos pela agricultura familiar e distribuídos a quilombolas no RN
Natal, RN 15 de jul 2024

Livro de receitas virtual traz itens produzidos pela agricultura familiar e distribuídos a quilombolas no RN

8 de janeiro de 2021
Livro de receitas virtual traz itens produzidos pela agricultura familiar e distribuídos a quilombolas no RN

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Por Rosilene Pereira

Que tal um bolinho de macaxeira com peixe voador arrematado com geleia de polpa de acerola apimentada e um suquinho de caju, limão e mel para acompanhar? Essas são algumas das iguarias listadas no e-book “Receitas da Cesta Básica”, lançado pelo Governo do Rio Grande do Norte em dezembro passado. O livro virtual já pode ser acessado online aqui.

Além de receitas, o conteúdo traz dicas úteis, entre elas, como fazer o aproveitamento integral de alimentos, utilizando talos e folhas, e como fazer uma composteira caseira aproveitando restos de comida para nutrir plantas e hortas.

A entrega dos alimentos às populações quilombolas foi uma ação inédita porque pela primeira vez um governo adquiriu uma cesta básica totalmente composta de produtos da agricultura familiar. O Governo comprou cinco mil cestas básicas da Cooperativa de Comercialização Solidária Xique-Xique e distribuiu a 24 comunidades quilombolas em 21 municípios, durante três meses da pandemia de Covid-19.

O projeto é realizado num contexto em que, segundo o IBGE, mais de dois milhões de pessoas no Rio Grande do Norte não tem alimentação adequada, um percentual de 59% dos lares potiguares.

 Alimentação saudável e acessível

Receitas curiosas como hambúrguer de feijão macassar e bolinho de arroz vermelho e jerimum privilegiam ingredientes cultivados na região do semiárido, já tão conhecidos dos potiguares, mas apresentados neste livro de forma renovada. A publicação foi idealizada a partir da composição da cesta básica da agricultura familiar entregue pelo Governo do Estado a 1.667 famílias quilombolas por meio do Programa de Compras Governamentais da Agricultura Familiar (Pecafes).

Só em 2020, o Estado comprou de agricultores e agricultoras mais de R$ 13 milhões em produtos, um recorde anual.

Com itens de alto valor nutritivo, comprados diretamente do quintal de quem produz, elaborar um livro tendo como ponto de partida a cesta pareceu um bom caminho para difundir a alimentação saudável e acessível.

“Durante três meses da pandemia, essas famílias receberam em casa alimentos de alta qualidade, garantindo sua segurança alimentar. Esse livro foi, então, uma forma atrativa que encontramos de ampliar esse trabalho integrado que trouxe mais dignidade ao povo do Rio Grande do Norte”, comenta a governadora Fátima Bezerra.

Governadora Fátima Bezerra destacou dignidade levada às famílias pelo projeto / foto: Robson Araújo

O material foi elaborado por estagiários da área de segurança alimentar do Projeto Governo Cidadão e formatado pela comunicação do projeto. De forma ilustrada, o livro virtual traz receitas simples à base, por exemplo, de batata doce, cajá e banana, e ainda orienta sobre os tipos de processamento de alimentos, desde os mais saudáveis (in natura) até os que devem ser consumidos em poucas quantidades (ultraprocessados).

“O e-book é parte das ações do Projeto Governo Cidadão para reverter o baixo dinamismo do Estado, com foco na redução das desigualdades regionais. Ao todo, quase 29 mil pessoas são beneficiadas com os nossos subprojetos que aumentam o acesso a alimentos seguros, nutritivos e em quantidade suficiente para uma vida ativa e saudável”, registra Fernando Mineiro, coordenador do projeto.

Privilegiando a agricultura familiar

Famílias quilombolas receberam cestas básicas produzidas com itens produzidos pela agricultura familiar / foto: cedida

Na opinião de Ana Carolina Costa, estudante de nutrição da UFRN e uma das autoras do livro, a publicação destaca o trabalho de “quem pega na enxada, sai de casa antes do raiar do sol para produzir o feijão e o arroz que vai à mesa dos potiguares, e que sofre para vender sua produção”.

A colega dela, Juliana Amorim, e o estudante de gastronomia da UnP Max George do Monte são os outros dois autores do livro e completam a análise:

“É difícil para quem produz na roça concorrer com grandes redes de supermercados. Enquanto isso, pessoas em situação de insegurança alimentar se veem ainda mais distantes de alimentos frescos e saudáveis”.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.