DEMOCRACIA

Fernando Mineiro: “O que sustenta o governo no Congresso é o orçamento secreto”

“O que estamos assistindo no Brasil é a destruição completa de décadas de conquistas dos trabalhadores consignadas na Constituição de 1988”. A crítica ao projeto de privatização do governo de Jair Bolsonaro foi feita pelo secretário estadual de Gestão de Projetos e Metas e coordenador do Pacto pela Vida, Fernando Mineiro.

Entrevistado pelo Balbúrdia desta quarta-feira, 24, Mineiro falou sobre conjuntura política nacional, local e a atuação conjunta entre Governo do Estado e prefeituras no combate à pandemia.

Para Mineiro, o país vive “tempos de fascismo” e o governo Bolsonaro não cederá em seu projeto de destruição do Brasil. “Nós temos que derrotar o fascismo nas ruas e nas urnas”.

Mesmo com mais de 60 pedidos de impeachment protocolados na Câmara dos Deputados, Bolsonaro sustenta um apoio parlamentar que tem impedido a abertura do processo na Casa. “O que sustenta o governo no Congresso é o orçamento secreto”. Para Mineiro, Bolsonaro “paga o apoio que tem no Congresso”.

O secretário comemorou a saída de Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente.  “Finalmente o ministro do meio ambiente pediu boné”. Lamentou, porém, que a mesma política ambiental deve ser mantida pelo substituto escolhido pelo presidente da República.

Alvo de duas investigações no Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Salles deixa o comando da pasta em meio a desmatamento recorde. O Ministro será substituído por Joaquim Alvaro Pereira Leite, atual secretário da Amazônia e ex-assessor de ruralistas.

Na verdade, os ministros não importam, o que importa é a política do Bolsonaro, as digitais do Bolsonaro”, critica o secretário.

Mineiro falou ainda sobre as eleições de 2022, o que a colocação do nome do ex-presidente Lula representa no cenário político. “Ele representa o que há de melhor na política”.

Confira entrevista na íntegra.

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo