DEMOCRACIA

Henrique Alves ironiza Fábio Faria e compara Bolsonaro a “carro destrambelhado” por pedir impeachment de ministro do STF

O ex-deputado Henrique Alves (MDB) comparou o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) a um “carro destrambelhado” por apresentar ao Senado um pedido de impeachment contra o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes.

Na avaliação de Alves, que presidiu a Câmara dos Deputados e foi ministro do Turismo no governo Dilma Rousseff, a iniciativa de Bolsonaro “é absurda e une o STF”.

O pedido de impeachment foi apresentado nesta sexta-feira (20). Bolsonaro acusa Moraes de, entre outras ilegalidades, cometer “crime de responsabilidade” por incluí-lo no inquérito das fake news. Na avaliação do chefe da República, os atos praticados pelo ministro “transbordam os limites republicanos aceitáveis”.

Após um longo período de isolamento político, que incluiu uma prisão por 11 meses por acusações de corrupção oriundas de duas operações deflagradas pela Polícia Federal, o ex-deputado federal voltou a opinar com mais frequência – sempre pelo twitter –  e tem sido a voz mais crítica a Bolsonaro entre os representantes das oligarquias locais no Rio Grande do Norte.

Só essa semana, Henrique criticou o atual presidente da República e dois ministros do governo Bolsonaro: Marcelo Queiroga (Saúde) e Milton Ribeiro (Educação), a quem criticou por “falta de conhecimento e humanidade” em razão de declarações à respeito da impossibilidade de convivência de estudantes com algum tipo de deficiência com alunos sem deficiência:

– Esse Ministro da Educação qdo fala é um caos absoluto!Até para se desculpar… se revela pior ainda. Falta de conhecimentos e humanidade. Agora declara impossível convivência com as pessoas com deficiência nas mesmas salas de aula,exclusão!E Governo silencia…até qdo? Daí.. pesquisas”, escreveu.

Sobre o conterrâneo Fábio Faria, ministro das Comunicações, disse que assumiu a pasta anunciando que seria “o pacificador”. Mas cansou.

Prisão

Preso do dia 6 de junho de 2017 a 5 de maio de 2018, Henrique Alves é acusado em pelo menos seis processos e foi alvo de duas operações de combate a corrupção: a Sépsis – desdobramento da Lava-jato que investiga suposto esquema de propinas envolvendo financiamentos do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS), administrado pela Caixa; e a Manus – que apura desvio de recursos na construção da Arena das Dunas.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"