DEMOCRACIA

Deputada Natália Bonavides acusa Governo Federal de aparelhar estado para “fins vergonhosos” com tentativa de interferência no Enem

Bolsonaro mente muito, a palavra dele não vale um risco na água. Mas, ele realmente não mentiu de todo quando disse que esse Enem começa a ter a cara do Governo, porque esse é o Enem mais excludente, o que possui o menor número de inscrições, pela queda drástica de estudantes de escolas públicas e negros inscritos”, começou a deputada federal Natália Bonavides (PT-RN), ao questionar o ministro da Educação, Milton Ribeiro, durante reunião da Comissão de Educação da Câmara realizada nesta quarta (17).

A parlamentar do Rio Grande do Norte questionou o ministro sobre a interferência do governo Bolsonaro (sem partido) nas questões das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) elaboradas por técnicos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Também é a cara desse governo intimidar, perseguir, censurar! Isso tudo já vem sendo feito na cultura, no meio ambiente e, agora, no Enem! O senhor quer dizer que é normal uma ‘visitinha’ da PF aos servidores? É porque os senhores estão se acostumando a aparelhar as estruturas do estado para os objetivos mais vergonhosos! É nítido que no Enem teve assédio e constrangimento ilegal para fazer uma intervenção autoritária”, pontuou a deputada potiguar.

Apesar das críticas e questionamentos, o ministro Milton Ribeiro negou ter havido tentativa de interferência do governo federal nas questões e temas das provas do Enem. No dia 8 de novembro, 35 servidores pediram exoneração de seus cargos no Inep. Eles acusaram o governo de censura e interferência nas provas com pedido de retirada de, pelo menos, 20 questões.

“Os senhores estão tentando transformar aquilo que foi um instrumento fundamental para termos a maior ampliação de ingresso em universidades da história, em um instrumento de exclusão, de ampliação das desigualdades”, criticou Natália.

A deputada ainda lembrou que “esse é um governo que não demonstra qualquer indignação quando vê gente catando osso no lixo” e concluiu com mais uma acusação:

O senhor mentiu quando disse que os professores pararam na pandemia. O senhor não pode avaliar os professores com base na conduta do seu presidente, que é quem não gosta de trabalhar. Os professores trabalharam muito mais durante esse período da pandemia, quando o Governo Federal não deu a menor assistência! … Aos estudantes eu digo que tenham esperança, o projeto que Bolsonaro e esse ministro representam não vai se sustentar!”, afirmou a parlamentar do Rio Grande do Norte, cujos questionamentos também repercutiram na imprensa nacional.

Com menor número de inscritos desde 2005 (3.109.762 pessoas), as provas do Enem estão programadas para acontecer nos dias 21 e 28 de novembro. No 1º dia serão realizadas 45 questões de linguagens, 45 de ciências humanas e uma redação. Já no 2º dia serão aplicadas 45 questões de matemática e 45 de ciências da natureza. A abertura dos portões será ao meio dia, pelo horário de Brasília, e fechamento às 13h. As provas começam às 13h30.

 

Confira a íntegra dafala de Natália Bonavides ao ministro da Educação:

A fala da deputada também repercutiu na imprensa nacional:

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo