População poderá discutir obra de engorda da Praia de Ponta Negra com Prefeitura de Natal e professor da UFRN
Natal, RN 30 de mai 2024

População poderá discutir obra de engorda da Praia de Ponta Negra com Prefeitura de Natal e professor da UFRN

5 de novembro de 2021
População poderá discutir obra de engorda da Praia de Ponta Negra com Prefeitura de Natal e professor da UFRN

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Nesta sexta (5), a população natalense vai ter uma das poucas oportunidades para discutir a obra da engorda da praia de Ponta Negra com um especialista no assunto e um representante da Prefeitura de Natal. O evento, organizado pela vereadora Brisa Bracchi (PT) e pela deputada estadual Isolda Dantas (PT), vai contar com a participação de um representante da Secretaria Municipal de Obras Públicas de Natal e do professor Venerando Eustáquio, titular do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde coordena o Laboratório de Geotecnologias Aplicadas, Modelagens Costeira e Oceânica.

Isolda Dantas

Uma das preocupações é com as consequências ambientais que a obra pode trazer e a mudança na rotina de quem convive com a praia, como os pescadores. “Uma obra desta magnitude não pode ser feita sem antes a população da cidade ser ouvida e estar ciente do que está planejado. Ela impacta no futuro da cidade”, criticou a deputada Isolda Dantas.

A ampliação da faixa de areia em Ponta Negra será realizada desde as proximidades do Morro do Careca até a Via Costeira, na altura do Hotel Serhs, segundo a Prefeitura de Natal. Os sedimentos serão retirados de um banco identificado a oito quilômetros mar adentro da praia de Areia Preta, que teria a mesma granulometria da praia de Ponta Negra.

Segundo a professora do Departamento de Oceanografia e Limnologia da UFRN, Maria Christina Araújo, a engorda da faixa de areia de uma praia é uma obra de engenharia utilizada para controle da erosão. Esse tipo de serviço já foi feito em praias famosas como a de Copacabana (RJ), na década de 70; em Iracema (CE), nos anos 2000; e em Jaboatão dos Guararapes e Piedade (PE). No caso de Ponta Negra, a erosão foi provocada pela ocupação desordenada da região que permitiu a invasão de construções na área que deveria ser de avanço do mar. Outro ponto importante de ser lembrado, é que além da obra em si, periodicamente, são necessárias obras de manutenção.

A “engorda” da praia de Ponta Negra está sendo planejada pela Prefeitura de Natal com o Ministério do Desenvolvimento Regional, comandado por Rogério Marinho. Até o momento, a Prefeitura teria em caixa R$ 17,7 milhões do total de mais de R$ 75 milhões necessários. A previsão é que a licitação seja realizada em novembro, com a obra sendo concluída num prazo de três anos.

Brisa Bracchi

Precisamos saber como isso afetará os trabalhadores da praia, os banhistas, os turistas e os moradores da Vila de Ponta Negra”, alertou a vereadora de Natal, Brisa Bracchi.

Pesquisadores afirmam que a obra pode trazer impactos que vão modificar Ponta Negra e a vida da população que se utiliza da praia. Em obras semelhantes feitas em outras cidades, como Balneário Camboriú, os impactos ambientais significaram, por exemplo, a aproximação de tubarões. “Pelo Brasil, temos visto vários exemplos de obras semelhantes que trouxeram impactos negativos para a orla: precisamos aprender com esses exemplos para não repeti-los”, lembrou Brisa.

O quê?

Oficina da cidade: debatendo a engorda de Ponta Negra

Quando?

Sexta-feira, 05/11 - 16h

Onde?

Conselho Comunitário da Vila de Ponta Negra. Rua Manuel Coringa Lemos, 451. Ponta Negra.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.