CULTURA

Debinha leva o mar das Rocas para o Trem do Samba em Osvaldo Cruz (RJ) neste sábado (4)

Se o samba das Rocas vem mesmo do mar, como cantou o poeta, Debinha Ramos leva um pouco desse tempero para Oswaldo Cruz, bairro do subúrbio carioca que respira um dos gêneros musicais mais populares do país. O bamba natalense é um dos convidados do Trem do Samba, tradicional festa em alusão ao Dia Nacional do Samba, celebrado em 2 de dezembro em homenagem a Ary Barroso, e organizada pelo compositor Marquinhos de Osvaldo Cruz.

Essa é a segunda vez que Debinha participa do evento, a estreia ocorreu em 2015, com presença de outros músicos do grupo “Roda de Bambas” como Cabanhas, Zezinho, Rafael, David, Chumbinho, Arthur Canuto e Pizão. Por conta da pandemia, a organização do evento mudou o formato e, do Trem do Samba, só sairá um vagão com representantes das velha guarda. E mesmo assim seguindo todos os protocolos sanitários.

Já em Osvaldo Cruz, o berço do samba e da Portela, 14 rodas de samba estão programadas em três palcos. O furdunço começa às 18h. Debinha vai cantar na rua Átila Silveira e será acompanhado pela banda Criolice. No mesmo palco, além do músico potiguar, também estão confirmados Moacyr Luz e O samba do trabalhador, Marina Iris, Ernesto Pires, Marquinhos de Oswaldo Cruz, Osmar do Breque, Bia Aparecida, Dorina, Mauro Diniz, Didu Nogueira e Jorge Simas, Noca da Portela e Zé Luiz do Império.

Marquinhos de Osvaldo Cruz e Debinha em roda de samba solidário em Natal (RN) / foto: arquivo pessoal

Para Debinha, a emoção de retornar ao berço do samba no Rio de Janeiro é indescritível:

 – Vou participar com muitos sambistas, são vários palcos no bairro. É uma emoção poder voltar depois de 6 anos. Em 2015 eu estava no Trem do Samba junto com minha rapaziada e tocamos num dos vagões saindo da Central do Brasil indo para Osvaldo Cruz. Por conta da pandemia, dessa vez a Supervia não autorizou. Então vai ter apenas um vagão com as velhas guardas levando o patrimônio do samba. É uma emoção muito forte estar na raiz do samba, que é Madureira, Osvaldo cruz. O melhor do samba do Brasil vai estar lá. Vai dar tudo certo e faremos uma grande roda”, disse.

O Trem do Samba é uma festa que acontece há 26 anos em homenagem a Paulo da Portela e tradicionalmente começa nos trens que partem da Central do Brasil para Osvaldo Cruz.

Confira os artistas que passarão pelos três palcos da festa:

Praça Paulo da Portela (Estrada do Portela): As Matriarcas, Lazir, Pipa Brasey, VG Salgueiro, VG Vila Isabel, VG Império Serrano, VG Mangueira , VG Portela,  Marquinhos de Oswaldo Cruz, Tia Surica e Leci Brandão

Rua Átila da Silveira: Moacyr Luz e O samba do trabalhador, Banda Criolice, Marina Iris, Ernesto Pires, Marquinhos de Oswaldo Cruz, Osmar do Breque, Bia Aparecida, Dorina, Mauro Diniz, Didu Nogueira e Jorge Simas, Debinha Ramos, Noca da Portela, Zé Luiz do Império

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"