CULTURA

Governo do RN entrega certificados do Registro do Patrimônio Vivo

O Governo do Rio Grande do Norte reconheceu a arte de dois mestres e três grupos da cultura popular com o ‘Registro do Patrimônio Vivo’, pelas atividades dedicadas à preservação da tradição. A solenidade foi realizada no Auditório da Governadoria, nesta terça-feira (28).

Foram certificados e homenageados o poeta cordelista Antônio Francisco Teixeira de Melo (Antônio Francisco) e a mestra de Boi-de-Reis Dona Iza, para o recebimento de benefícios individuais. Os grupos folclóricos Araruna, sediado no bairro das Rocas, em Natal; Boi Calemba, de São Gonçalo; e a Associação das Rendeiras de Bilros, da Vila de Ponta Negra, também da capital, foram contemplados na categoria de Pessoa Jurídica. O valor do benefício é de R$ 1.620,00 para pessoa física e de R$ 3.242,00 para os grupos.

Os mestres e os grupos foram contemplados no edital do Registro do Patrimônio Vivo, lançado pelo Governo do Estado, por meio da Fundação José Augusto em agosto de 2021. O resultado final foi divulgado em 23 de outubro.

O ‘Registro do Patrimônio Vivo’ é resultado de uma lei de 2007, de autoria do secretário de Estado de Projetos e Metas e coordenador do Projeto Governo Cidadão, Fernando Mineiro, enquanto deputado estadual.

“O Registro do Patrimônio Vivo vai possibilitar que artistas e grupos folclóricos deixem seus legados, mantendo viva nossa cultura e história”, comemorou a governadora Fátima Bezerra (PT).

O diretor-presidente da FJA, Crispiniano Neto, completou: “Devemos isso ao secretário Mineiro, autor da lei enquanto deputado, e, claro, a todos os seus colegas que votaram a favor do projeto”.

“É um dia muito importante pra mim. São 14 anos de espera da aplicação desta lei, 14 anos na luta pela preservação das manifestações socioculturais existentes no Estado, incentivando a transmissão dos conhecimentos e das habilidades, desenvolvidos por um ou uma artista ou grupo de pessoas, com significativa importância para a cultura tradicional e popular norte-rio-grandense”, disse Mineiro, ressaltando que a concepção da lei foi participativa, contando com artistas e folcloristas potiguares, como o reconhecido Deífilo Gurgel. E completou: “Enquanto secretário, continuo trabalhando pela cultura. Somente neste ano de 2021, à frente do Governo Cidadão, entregamos seis equipamentos de cultura que estavam de portas fechadas e foram restaurados para serem devolvidos ao RN: o TAM, a Edtam, a Biblioteca Câmara Cascudo, a Pinacoteca do Estado, o Forte dos Reis Magos e o Papódromo”.

Estiveram presentes, o presidente da Comissão Nacional de Folclore, Severino Vicente; SEEC, Joselito Oliveira; GAC, Socorro Batista; diretor da FJA, Fábio Henrique; deputado estadual, Ubaldo Fernandes e o vereador de Natal, Herbert Sena.

Registro do Patrimônio Vivo

O RPV-RN visa estimular e proteger iniciativas que contribuem para o desenvolvimento sociocultural e profissional dos mestres e mestras de notório saber, autores, autoras, artistas, grupos e entidades da Cultura Popular e Tradicional do Estado do Rio Grande do Norte, almejando a transmissão de conhecimentos e técnicas para alunos ou aprendizes, através de programas de ensino e aprendizagem apoiados ou executados direta ou indiretamente pela Fundação José Augusto.

Participaram da comissão julgadora do Edital do RPV o Presidente do Conselho Estadual de Cultura Iaperi Araujo, a professora Josileide Oliveira, representante da Secretaria de Educação; o folclorista Gutemberg Costa e o presidente da Comissão Nacional do Folclore Severino Vicente, além do diretor-geral da FJA Crispiniano Neto e do coordenador do Edital, Max Medeiros.

MESTRES E GRUPOS CONTEMPLADOS

Dona Iza – Odaíza de Pontes Galvão, viúva do Mestre Manoel Marinheiro, assumiu o legado do Auto do Boi de Reis. Sempre ativa junto ao Mestre, herdou não apenas o seu saber da montagem do Boi, figurinos, adereços e personagens, mas o ritual, a dança, os cantos e as loas.

Antônio Francisco – Unanimidade, entre os estudiosos da cultura popular ,é membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, na cadeira de número 15, cujo patrono é o poeta cearense Patativa do Assaré. Em dezembro de 2018 recebeu a Comenda de Incentivo à Cultura Luís da Câmara Cascudo reconhecimento do Senado Federal a personalidades e instituições que tenham uma contribuição relevante ao registro da cultura e do folclore no Brasil.

Boi Calemba – O grupo é tradicional de São Gonçalo do Amarante, que foi considerado pelo historiador Câmara Cascudo como o berço da cultura popular do Rio Grande do Norte. São 25 integrantes em um manifesto que gira em torno da morte e ressurreição do boi. No meio das apresentações, entram histórias de amor, traição e dramas.

Rendeiras da Vila – tem 23 anos de existência foi fundada pela mestra vó Maria de Lourdes de Lima . Estão no cenário cultural desde a fundação da Vila de pescadores de Ponta Negra, mantendo umas das grandes tradições do artesanato potiguar.

Sociedade de Danças Antigas e Semidesaparecidas Araruna – Mais conhecida como Araruna iniciou suas atividades em 1949 quando o Mestre Cornélio (o seu fundador) utilizava o quintal de sua casa para os ensaios do grupo. Djalma Maranhão e Luiz da Câmara Cascudo foram grandes incentivadores do Araruna, tendo sido o primeiro que doou o local para construção da atual sede do grupo, localizada a Rua Miramar, bairro das Rocas.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo