CIDADANIA

Navio grego foi responsável por derramamento de óleo no litoral do RN e outros 10 estados em 2019, conclui PF

As manchas de óleo que atingiram praias de nove estados nordestinos em 2019, entre eles o Rio Grande do Norte, além do litoral do Espírito Santo e Rio de Janeiro, vieram de um navio petroleiro grego, segundo a investigação do caso que foi concluída e divulgada pela Polícia Federal (PF) nesta quinta (02).

Ao todo, as manchas foram encontradas em mais de mil localidades nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, Espírito Santo e no Rio de Janeiro, entre agosto de 2019 e março de 2020. Os custos apenas com a limpeza dessas áreas foi estimado em R$ 188 milhões, sendo esse também o valor mínimo de indenização a ser pago pelos proprietários do navio, de acordo com a investigação. A Polícia Federal ainda calcula qual seria o valor do dano ambiental causado.

O inquérito do caso segue para o poder judiciário do Rio Grande do Norte e para o Ministério Público Federal, que vão analisar quais medidas devem ser adotadas daqui pra frente. Foram indiciados pelos crimes de poluição, descumprimento de obrigação ambiental e danos nas unidades de conservação: a empresa, seus responsáveis legais, o comandante e o chefe de máquinas do navio. Os nomes não foram divulgados.

A investigação foi dividida em três frentes: 1ª a de analisar as características para descobrir a origem da substância, se era nacional ou estrangeira; a 2ª era de descobrir o local exato do vazamento ou lançamento do óleo no mar, para isso, foram usadas técnicas de geointeligência que incluem imagens de satélites e simulações com programas de computador (softwares) específicos; e por fim, na 3ª etapa, foram levantados documentos adquiridos por meio de cooperações nacionais e internacionais, inclusive com ajuda da Interpol, para a investigação do caso.

Animais Oleados

Pelo levantamento feito pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama), o desastre ambiental resultou em 159 animais oleados, sendo que 18 morreram por causa da contaminação.

Fonte: Ibama

Rio Grande do Norte

O primeiro registro oficial das pelotas de óleo no litoral do Rio Grande do Norte é do dia 7 de setembro de 2019. Elas foram encontradas na Via Costeira e nas praias de Baía Formosa. Depois, os resíduos de óleo afetaram outras áreas do litoral, atingindo 14 municípios, resultando em 43 praias oleadas e 34 toneladas de resíduos recolhidos.

Em setembro de 2020, pescadores se reuniram na praia de Ponta Negra para lembrar que após um ano do desastre ninguém tinha sido responsabilizado pelos danos ambientais.

Foto: Mirella Lopes
Cerca de 34 toneladas de material tóxico chegaram a ser recolhidas nas praias potiguares I Foto: divulgação
Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo