DEMOCRACIA

Professores de Natal encerram greve e comemoram aprovação do reajuste salarial de 12,84%

A Câmara Municipal de Natal aprovou, em sessão ordinária nesta quarta-feira (29), o projeto de lei enviado pelo Executivo para o reajuste de 6,42% na remuneração dos profissionais de ensino da rede pública municipal. Os vereadores encartaram ao PL e aprovaram também uma emenda da vereadora Brisa Bracchi (PT), aceita por todas as bancadas e articulada pela vereadora Divaneide Basílio (PT) e os vereadores Pedro Gorki (PCdoB) e Robério Paulino (PSOL), prevendo mais 6,42% em junho de 2022, para chegar ao percentual de 12,84% a que a categoria fazia jus em 2021, de acordo com a lei 6.425 de 2013, que estabelece o piso salarial dos professores.

Os 6,42% previstos no projeto original enviado pelo Executivo à Câmara deverá ser pago já na folha de dezembro retroativo a janeiro de 2021.

A aprovação foi comemorada pelos educadores de Natal e os dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do RN (Sinte/RN), que acompanharam a votação, após quase dois anos de luta pelo Piso. Pela manhã, a categoria já havia suspendido o movimento grevista em Assembleia.

“O problema não era pagar os 12,84% aos ativos. Era pagar aos inativos, que tem que ser de fonte própria, e o Governo não tinha para dar. Então, sugeri aos colegas da oposição que, ao invés de insistir numa emenda com o reajuste integral, que poderia ser vetada, apresentássemos um escalonamento. Assim, a emenda foi consensualizada, tornando-se coletiva. Desse modo, ganham os professores e o Governo, que terá seis meses para se equilibrar e fechar o reajuste integral para ativos e inativos”, disse a líder do Governo na Casa, Nina Souza (PDT), justificando que os vereadores também são fiscais da lei, além de legisladores.

A líder da bancada de oposição, Brisa Bracchi (PT), também comemorou o resultado da votação. “Estou muito feliz, porque esta Casa reconheceu o valor dos professores e fez cumprir a lei. Essa categoria merece todo reconhecimento, pois não pararam durante a pandemia. Ao contrário, transformaram suas casas em salas de aula”, lembrou.

Embora o parlamento tenha dito sim ao projeto, o prefeito Álvaro Dias (PSDB) tem o poder de vetar.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo