Assange poderá recorrer à corte suprema britânica contra extradição aos EUA
Natal, RN 22 de abr 2024

Assange poderá recorrer à corte suprema britânica contra extradição aos EUA

24 de janeiro de 2022
2min
Assange poderá recorrer à corte suprema britânica contra extradição aos EUA

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Por Brasil de Fato

A Alta Corte de Londres decidiu nesta segunda-feira (24) que Julian Assange poderá fazer uma apelação à Suprema Corte britânica sobre sua possível extradição para os Estados Unidos. O novo desdobramento no caso do fundador do Wikileaks adia em algumas semanas, ou meses, a decisão sobre sua possível transferência para os EUA, onde enfrenta supostas acusações que poderiam colocá-lo por 175 anos atrás das grades.

O Departamento de Justiça estadunidense acusa Assange de publicar informações confidenciais e utiliza, inclusive, sua Lei da Espionagem criada durante a Primeira Guerra Mundial nos tribunais. As informações publicadas pelo WikiLeaks expõem possíveis crimes de guerra dos EUA em suas intervenções no Iraque e no Afeganistão.

O fundador do Wikileaks está detido na prisão de alta segurança de Belmarsh, perto de Londres, desde abril de 2019, após o Equador revogar sua permanência em sua embaixada britânica. Assange ganhou uma primeira decisão judicial em janeiro de 2021 para não ser extraditado aos Estados Unidos. Todavia, Washington recorreu e obteve decisão favorável em dezembro, abrindo caminho para uma possível extradição.

Luta até que Assange esteja livre

A íntegra da decisão que permitiu levar o caso do fundador do WikiLeaks para a Suprema Corte britânica pode ser conferida neste link (em inglês).

Stella Moris, companheira de Assange e mãe de dois filhos seus, disse que a decisão da Alta Corte de Londres representa uma vitória, mas ressaltou que “a luta continua até que Julian esteja livre”.

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas destacou que a extradição de Assange aos EUA representaria “um precedente legal profundamente prejudicial, que permitiria a acusação de repórteres por atividades de coleta de notícias” e pediu que os EUA retirem as acusações.

As autoridades estadunidenses apresentaram o pedido de extradição do fundador do WikiLeaks durante o mandato do então presidente Donald Trump e a batalha legal continua agora com a Casa Branca sob as ordens de Joe Biden.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.