Apresentador do SBT que criticou professores por greve no RN lê direito de resposta durante programa
Natal, RN 29 de mai 2024

Apresentador do SBT que criticou professores por greve no RN lê direito de resposta durante programa

22 de fevereiro de 2022
4min
Apresentador do SBT que criticou professores por greve no RN lê direito de resposta durante programa

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Depois de criticar a greve dos professores da rede estadual de ensino com o uso, inclusive, de palavras de baixo calão durante o programa policial “Patrulha da Cidade” da TV Ponta Negra (afiliada SBT), exibido no 15 de fevereiro, o apresentador Cyro Robson teve que ler um direito de resposta escrito pela direção do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte (Sinte/ RN) No programa desta segunda (21).

A direção do Sinte não chegou a entrar na Justiça e o direito de resposta foi concedido depois de conversa com a emissora. No texto de resposta, o Sindicato desmente a fala do apresentador de que os professores teriam passado dois anos em casa sem trabalhar durante a pandemia e ressalta as jornadas múltiplas enfrentadas pela categoria com o trabalho virtual. Os professores também lembraram o esforço que fizeram para aprender a lidar com os sistemas virtuais e que a aquisição de equipamentos e a internet utilizada para o trabalho foram pagas com o dinheiro do próprio bolso.

Além disso, a direção do Sindicato dos professores também afirma que é obrigação dos comunicadores conhecer de perto a realidade da categoria que historicamente trabalha muito, recebe baixos salários e enfrentam péssimas condições de trabalho. Ao final do texto, o apresentador, que também é conhecido pelo apelido de “Papinha”, ironiza o fato de ter sido obrigado a ler o direito de resposta rebatendo a própria fala proferida dias antes: pronto, li tudo viu?!

No programa do dia 15 de fevereiro, Cyro Robson afirmou que os professores passaram dois anos e meio sem dar aula, mas recebendo os salários em casa. Nesta terça (22), os professores fizeram um ato em frente à Governadoria pela manhã e à tarde vão visitar escolas da rede municipal de ensino.

Negociação:

Os professores negociam com o Governo do Estado o pagamento do reajuste do piso nacional dos professores que foi estabelecido pelo governo federal em 33,24%. A proposta do governo estadual para pagamento do piso ainda em 2022 fica condicionada a um acordo firmado com o Tribunal de Contas do Estado e com o Tribunal Regional Eleitoral, já que a legislação eleitoral proíbe alterações salariais nos três meses anteriores e posteriores às eleições.

Pela proposta, o Governo aplicaria o percentual de 33,24%, a partir de janeiro, para quem recebe menos que o piso, valor equivalente a R$ 3.845,63 proporcional a 30h. Esse grupo conta com cerca de 8 mil servidores. Em relação ao percentual para aqueles que não foram contemplados com o piso, será aplicado para ativos, inativos e pensionistas, da seguinte forma: para os servidores que recebem valor inferior a R$ 3.843,63, serão aplicados percentuais que variam até 33,24%, de forma a garantir o Piso Nacional, a partir de janeiro de 2022. E, em março, 13% para todos que não receberam aumento em janeiro/22. Em dezembro, o complemento dos 33,24%. E, parcela variável entre 0% e 17,91%, a depender da parcela recebida em janeiro ou março.

Apesar de não estar em greve na rede municipal, a categoria ainda tenta negociar o reajuste de 2020 com a prefeitura de Natal, estabelecido nacionalmente em 12,84%, e cujo cumprimento havia sido aprovado pelos vereadores em 2021. Porém, o aumento foi parcialmente vetado pelo prefeito da capital, Álvaro Dias (PSDB), que concedeu um percentual de 6,42% previsto num projeto enviado pela própria prefeitura à Câmara. Dias ainda não se manifestou sobre o reajuste de 33,24% previsto para 2022.

Confira o vídeo na íntegra:

https://www.facebook.com/watch/?v=1566304240407999

Saiba +

Vídeo: Apresentador do RN critica greve e diz que professores ficaram “coçando o saco” na pandemia; categoria lamenta uso de TV para desinformar

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.