Sinceridade está dando o tom da política potiguar neste início de ano
Natal, RN 24 de jun 2024

Sinceridade está dando o tom da política potiguar neste início de ano

22 de fevereiro de 2022
3min
Sinceridade está dando o tom da política potiguar neste início de ano

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar
Políticos são criaturas complexas, transitam entre a verdade e mentira com desenvoltura as vezes indesejável e além de dons como o da oratória, muitas vezes desenvolvem o da performance e não raro o da atuação teatral, com alguns aptos a ganhar Oscar e prêmios diversos.
Contudo, de vez em quando vemos surtos de sinceridade e o jogo político, sempre um xadrez de movimentos lentos, ganha ares de UFC ou de uma partida de baralho onde todos mostram suas cartas.
Curiosamente é o que parece estar acontecendo na política norte-riograndense neste início de 2022, ano de eleições gerais. Uma série de acontecimentos e declarações colocaram diversas cartas na mesa.
Na segunda-feira dia 21, em entrevista ao programa Baldúrdia, da Agência Saiba Mais, o secretário chefe do gabinete civil de Fátima Bezerra, Raimundo Alves falou sem meias palavras, papo reto mesmo, como dizem os jovens, que a governadora Fátima quer, sim, o MDB dos Alves como aliados de campanha. Indagado sobre as contradições desta aliança, Raimundo falou mais para a militância que para os entrevistadores: "Não podemos achar que estamos num céu de brigadeiro e achar que PT pode vencer com chapa puro sangue. Mesmo que fosse um processo eleitoral possível de vencer com facilidade, a fase mais difícil é governar. Precisamos de governabilidade após a vitória".
Perguntado se seria suplente de senador numa possível chapa com Carlos Eduardo, Raimundo foi ainda mais direto: "Essa informação não procede em nenhum hipótese e faz parte de uma tentativa de me descredenciar como interlocutor da governadora. Se é fogo amigo, não sei, mas isso é um jogo sujo, não sou candidato a nada". Mais papo reto impossível.
Na mesma segunda-feira, o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves conceu entrevista na 98FM onde saiu de seu estilo de respostas vagas para também abrir a caixa de Pandora das suas verdades: Registrou bastidores de quando foi convidado para ser vice-prefeito na chapa de Wilma de Faria, em 2000, respondendo as insinuações de que teria traído a família e revelando que a proposta partiu do próprio Garibaldi. Para quem acompanha a política potiguar e viveu aquele momento como repórter político foram quase quinze minutos de revelações e histórias.
Não foram apenas Raimundo e Carlos que no espaço de 24 horas trouxeram à tona fatos concretos e assertividades políticas. Outros agentes políticos vêm fazendo isso nos últimos tempos. Vide a leitura anual da mensagem da governadora na Assembleia Legislativa  quando Fátima Bezerra esqueceu a diplomacia habitual e dispatrou ironias e farpas para Bolsonaro, negacionistas, antivacinas, etc.
Por falar no despresidente Bolsonaro, esqueça o bolsonarismo como "papo reto". O bolsonarismo, que antes de ser um movimento político e ideológico, é uma seita e uma oportunidade de negócios, trata de "narrativas" e não de ideias e fatos. Não importa o que foi feito ou dito e sim o que é transmitido. Não confundamos agressividade e estratégia para se comunicar com pessoas truculentas com franqueza e objetividade.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.