Metade dos militares está com Lula, diz delegado da polícia civil
Natal, RN 16 de jun 2024

Metade dos militares está com Lula, diz delegado da polícia civil

30 de julho de 2022
2min
Metade dos militares está com Lula, diz delegado da polícia civil

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Apesar das tentativas de cooptação das Forças Armadas pelo bolsonarismo e das ameaças golpistas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), o delegado da Polícia Civil, Fernando Alves, diz que metade dos oficiais militares já apoia Lula.

“Metade do oficialato brasileiro das Forças Armadas vai votar em Lula para presidente. No trabalho diário, você percebe que muitos policiais que não são bitolados já estão cansados e demonstram que foram enganados e ludibriados pelo discurso bolsonarista e não vão mais cair nessa conversa”, afirma.

Ainda para Fernando Alves, o contato diário com outros profissionais permite ver essa realidade. “Eu estou no dia a dia do plantão policial e tenho contato com policiais civis,  militares, rodoviários, policiais penais”, diz. 

“Nesse universo você já tem uma grande quantidade de policiais, homens e mulheres conscientes, que não vão cair na lábia do bolsonarismo, de um discurso autoritário e de uma bolha alienada”. 

A declaração de Alves, que integra o Movimento Policiais Antifascismo, veio em resposta às críticas ao movimento feitas pelo militar aposentado Rodrigo Trigueiro. Em entrevista a uma rádio, Trigueiro disse que os policiais antifascistas “quebram disciplina porque as Forças Armadas e de segurança se mantém num viés conservador de tradições”.

Fernando rebate, e afirma que as FA estão submetidas à Constituição Federal de 1988, que tem como base “o respeito à democracia” e “ao estado democrático”. Mesmo sendo de esquerda, Alves prega respeito aos militares que pensam diferente. 

“Eu tenho todo respeito por qualquer oficial da Polícia Militar, tenho grandes amigos, e respeito a opinião desses companheiros, seja mais à direita ou mais à esquerda”, diz. “O que eu não posso respeitar é simplesmente um oficial da Polícia Militar, estando na reserva ou não, que se valha da sua condição para destilar mentiras acerca do meu movimento”.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.