CIDADANIA

Sesap lança plano para integrar ações do Estado com municípios e melhorar a qualidade de vida da população no RN

A Secretaria de Estado da saúde Pública (Sesap) lançou uma proposta para melhorar os indicadores de saúde do Rio Grande do Norte através da integração entre as diversas políticas públicas de diferentes setores, dando suporte para as gestões municipais.

O projeto, que recebeu o nome de “RN Mais Saudável”, prevê a integração de diferentes áreas como educação, segurança, cultura e agricultura familiar, para melhorar a qualidade de vida da população, principalmente, naqueles municípios mais pobres.

Isso significa que teremos uma política que vai olhar para as populações de maior vulnerabilidade, que vai inserir indicadores e metas voltados para a redução de doenças crônicas, um perfil de doenças epidemiológicas que podem ser evitadas, ações integradas com as escolas, segurança, cultura, agricultura, ou seja, teremos um Estado que incentiva ações nos municípios que potencializem a melhoria da qualidade de vida”, detalha Tereza Freire, psicóloga, sanitarista e Coordenadora das Políticas Intersetoriais de Coordenação à Saúde e do RN Mais Saudável.

O município que quiser participar do “RN Mais Saudável” terá que se comprometer com o desenvolvimento de planos, projetos, estratégias e ações de promoção da saúde em seu território, além de se submeter a processos de monitoramento, avaliação e cumprimento de metas anteriormente estipuladas.

O Programa também prevê o desenvolvimento de espaços de produção social e ambientes saudáveis e sustentáveis que possam incidir sobre índices ligados a uma maior qualidade de vida, redução da carga de doenças e sofrimento físico, psicológico, social e espiritual das pessoas. Além disso, o “RN Mais Saudável” também prevê que seja implantada uma política de prevenção a riscos ocupacionais, adoção de práticas de segurança do trabalho voltadas à promoção da saúde física, psicológica, social e espiritual das trabalhadoras e trabalhadores no RN.

A gente tá dizendo que o Rio Grande do Norte pode ser visto de uma outra maneira, a proposta é reduzir o risco de vida, integrar as ações, fazer com que os municípios se sintam valorizados e, principalmente, fazer um monitoramento, uma intervenção nos municípios em situação mais grave”, avalia Tereza Freire.

Para dar conta das mudanças práticas em suas políticas públicas, os municípios terão que criar mecanismos e instrumentos para monitoramento e avaliação da implantação e implementação da Política Estadual de Promoção da Saúde do Rio Grande do Norte (PEPS-RN), através de estratégias informatizadas e sistemas de informações para coleta, armazenamento e análise de dados.

“Nossa proposta é produzir saúde através do saber popular, da educação permanente, investindo em ações que incidam em mudanças de hábitos, de comportamento, sobre o dia-a-dia. Queremos reduzir mortes, adoecimentos por doenças que poderiam ser adotadas. Um olhar voltado para o cuidado integral, a humanização, equidade, a inclusão social e, principalmente, a integração de todas as políticas e ações. É um avanço, o ‘RN Mais Saudável’ busca dialogar com os municípios. Nós temos uma pobreza muito grande, falta de informação e podemos otimizar os recursos quando fazemos essa integração”, planeja a Coordenadora das Políticas Intersetoriais de Coordenação à Saúde e do RN Mais Saudável.

O Programa, que já teve a portaria publicada no Diário Oficial do Estado, será financiado com recursos do SUS/RN, oriundos de repasses da União e de alocações de OGE (Orçamento Geral do Estado) ou OGM (Orçamento Geral do Município) como contrapartida dos municípios com base nas pactuações realizadas na Comissão Intergestores Bipartite (CIB).

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo