DEMOCRACIA

Após 33 anos do jingle de Lula “Sem Medo de Ser Feliz”, Hilton Acioli compõe “Coragem de Ser Feliz”, para a candidata a deputada federal Samanda

O potiguar Hilton Acioli é o compositor do jingle “Sem Medo de Ser Feliz”, feito para Lula nas eleições de 1989. A versão original da canção foi apresentada pela 1ª vez com as vozes de Chico Buarque, Gilberto Gil e Djavan. O jingle marcou a memória afetiva de militantes e simpatizantes e ganhou duas novas versões em 2022. A primeira, protagonizada por artistas como a cantora Pablo Vittar, Chico César e Duda Beat. Agora, com artistas nordestinos entre os quais Cida Lobo e o próprio Hilton Acioli.

Três décadas depois da composição que ainda embala os eventos do ex-presidente Lula, o compositor potiguar fez uma nova composição de jigle político, desta vez para Samanda, que está disputando uma vaga a deputada federal pelo RN. Ela destaca que a ideia de convidar o autor do jingle de 1989 se deu pela semelhança política do presente com o período de redemocratização do País: “Aquela era a primeira eleição pós redemocratização. Foi o ano em que, pela primeira vez desde 1960, os brasileiros voltaram a escolher pelo voto direto o Presidente da República. Hoje estamos diante da eleição das nossas vidas, com a oportunidade de tirar pelo voto o país das garras do autoritarismo”.

“Temos uma batalha dura com um adversário disposto a vencer a qualquer custo, sem se importar em ultrapassar os limites de uma disputa política travada na esfera da democracia. Naquela época foi preciso defender eleições diretas, hoje temos de lutar por eleições livres e limpas, por democracia. Nosso povo vive dias difíceis com inflação e desemprego. O programa de Lula em 1989 vinha enfrentar justamente isso”, refletiu Samanda.

O pensamento de Samanda é acompanhado por Hilton: “Hoje, para mim tem esse clima de 1989 no ar, parece a mesma pressa que o Brasil tinha pra ter o país na mão das pessoas outra vez, pelo poder do voto. A tentativa de usurpar esse direito das pessoas tá bem presente agora, não é?”, indagou. E seguiu: “Gostei de conhecer a Samanda, porque acredito e acho que devemos batalhar pro PT e o Lula terem uma grande bancada pra que a gente consiga realmente reconstruir o país”.

Para Hilton, só assim as propostas dos movimentos populares e as prioridades da população poderão ser implementadas. “É preciso tirar essa tchurminha de gente enganadora que tá lá agora, grande parte a favor desse PRESIDEMENTE, e substituir por pessoas batalhadoras e sérias, gente do povo, como a Samanda”. “Vambora dar força e chance a quem representa de verdade os trabalhadores e trabalhadoras. Agora há uma grande chance pra isso acontecer. E que seja logo!”, convocou.

O clipe do jingle foi lançado nas redes sociais da candidata.

Lula chorou em Natal ao reencontrar Hilton Acioli

Em agosto de 2021, em visita ao RN, o ex-presidente Lula foi às lágrimas ao ouvir o jingle criado para a campanha presidencial de 1989 durante um encontro organizado em Natal com ativistas de movimentos sociais e da cultura. Nesse evento, Lula reencontrou Hilton Acioli, de 82 anos, natural de Nísia Floresta e compositor de “Lula lá”. A canção que, segundo o ex-presidente, “permitiu que a gente fizesse a campanha mais emocionante da história desse país”, foi interpretada pela cantora Cida Lobo, acompanhada de um acordeom. Ao final da apresentação, Lula não segurou a emoção e, bastante emocionado, disse que a música mexe com ele ainda hoje:

– Eu disputei eleições em 94, 98, 2002, já ganhei eleição, mas acredito que nunca mais alguém consiga fazer uma música que fale o sentimento e a linguagem do povo naquele momento. Era a primeira eleição para presidente. E essa música permitiu que a gente fizesse a campanha mais emocionante da história desse país. Essa música mexia com o coração e mexia com a mente do povo brasileiro, já fazem quase 35 anos e eu continuo me emocionando com ela da mesma forma que eu me emocionava em 1989. Eu já fui candidato muitas vezes, mas ela sempre era melhor que a música que estava tocando na campanha (daquele ano)”, disse o ex-presidente, sem conseguir segurar as lágrimas.

Hilton Acioli foi parceiro de Geraldo Vandré

O compositor de “Lula lá” Hilton Acioli nasceu no município de Nísia Floresta em 1939 e mudou para São Paulo em 1956. De acordo com o dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira, assim que chegou à capital paulista ele iniciou a carreira artística como integrante do Trio Marayá.

O potiguar conquistou o 1º lugar no Terceiro Festival Universitário da Música Popular Brasileira com a música “Pra quê lagoa, se eu não tenho canoa”, gravada pelo Trio Marayá. Em 1968, iniciou parceria com o Geraldo Vandré dividindo com ele as músicas “Ventania”, “O plantador”, “João e Maria” e “Guerrilheira”, gravadas por Vandré no LP “Canto geral”. No mesmo ano fez acompanhamento instrumental para Vandré nas músicas “Companheira” e “Terra plana” gravadas no LP “Momento universitário volume II” lançado pela EMI Odeon. Em 1979 Acioli criou arranjos e regências para o LP “Eterno como areia”, de Diana Pequeno.

O jingle “Lula lá” foi composto em 1989 para a campanha do então candidato à presidência da República pelo PT. A música foi lançada no CD “O som da estrela do PT”, com nove músicas de sua autoria.

Hilton Acioli teve músicas gravadas por Diana Pequeno, Trio Marayá, Rolando Boldrin, Maria Odete e outros.

SAIBA MAIS

Lula chora em Natal ao lembrar jingle da campanha em 1989 em reencontro com compositor da canção

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo