Estatal que foi comandada por Rogério Marinho fechou contrato de R$ 61 milhões com diarista de 21 anos
Natal, RN 23 de jun 2024

Estatal que foi comandada por Rogério Marinho fechou contrato de R$ 61 milhões com diarista de 21 anos

19 de agosto de 2022
6min
Estatal que foi comandada por Rogério Marinho fechou contrato de R$ 61 milhões com diarista de 21 anos

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A Controladoria-Geral da União (CGU) identificou um contrato suspeito e com risco de sobrepreço assinado entre a Companhia de Desenvolvimentos dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) e a empresa Imperiogn Comércio de Máquinas, Equipamentos e Serviços, registrada há dois anos em nome de Ana Luiza Cassiano Batista, de 21 anos.

Uma reportagem publicada, nesta sexta (19), na versão impressa do jornal O Globo, aponta que a empresa da jovem concorreu em 49 licitações do governo federal e fechou contrato com os ministérios da Defesa, Saúde, Educação e do Desenvolvimento Regional, ao qual a Codevasf é vinculada. A estatal foi comandada pelo potiguar Rogério Marinho (PL) até março deste ano, quando o ex-ministro deixou o cargo para concorrer às eleições.

No contrato assinado em março deste ano e que previa a compra de 325 tratores ao custo total de R$ 61,7 milhões de reais, os técnicos da CGU identificaram um superfaturamento de, pelo menos, R$ 11,8 milhões. Procurada pelo jornal carioca, a Codevasf negou irregularidades no contrato e afirmou que ainda não fez pagamentos à empresa, mas reservou R$ 13,7 milhões para isso.

Até agora, a empresa da jovem recebeu R$ 6,9 milhões do governo federal. Na época da licitação, enquanto a Imperiogn estipulou o valor de cada trator em R$ 190 mil, a própria Codevasf havia feito compras do mesmo equipamento por preços que variavam entre R$ 93 mil e R$ 115 mil. Ao Globo, o atual gerente comercial da Codevasf, Vanderson de Souza, afirmou que o preço pago à empresa da jovem está abaixo do valor de mercado e que as empresas têm dificuldade em fornecer os equipamentos no valor estipulado em contrato por causa da inflação.

Retroescavadeira I Imagem: reprodução XCGM
Retroescavadeira I Imagem: reprodução XCGM

Diarista

Ana Luiza Cassiano Batista I Foto: reprodução redes sociais
Ana Luiza Cassiano Batista I Foto: reprodução redes sociais

A empresa Imperiogn Comércio de Máquinas, Equipamentos e Serviços foi registrada em junho de 2020 e tem Ana Luiza Cassiano Batista como única integrante do quadro societário, segundo a reportagem.

Os jornais O Globo e UOL identificaram o perfil de Ana Luiza na plataforma profissional Likedin, onde a jovem apresenta como única experiência profissional, o trabalho como vendedora de uma loja de calçados. A mãe da jovem chegou a ser contatada, negou que a filha fosse proprietária da empresa e disse que Ana Luiza estava trabalhando atualmente como diarista. Mas, um homem apontado pela jovem como gerente comercial da empresa, afirmou que Ana Luiza é a dona da Imperiogn.

Outro contrato sob suspeita

A CGU também identificou risco de sobrepreço num outro contrato assinado pela Codevasf com a empresa chinesa XCMG, no valor de R$ 62 milhões para aquisição de 175 retroescavadeiras. Segundo os técnicos da CGU, a estatal pagou R$ 354,9 mil por cada veículo, que poderia ter sido adquirido por R$ 309 mil, segundo o Painel de Preços do governo federal.

Técnicos da Controladoria-Geral da União já haviam detectado indício de sobrepreço, inconsistência no quantitativo de serviço, falta de justificativas técnicas pra itens exigidos, além de deficiência nas pesquisas de preço de mercado e superficialidade em especificações das compras no programa do governo federal “Força tarefa das águas”, que previa a construção de cisternas no Nordeste. O projeto foi lançado em março deste ano, em Quixadá (CE), na presença do presidente Bolsonaro (PL) e outras autoridades, como o então ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

"Tratoraço"

Em maio de 2021, o Estadão publicou reportagem apontando que o ministério do Desenvolvimento Regional, então comandado por Rogério Marinho, criou um orçamento secreto pelo qual deputados e senadores da base de apoio do governo receberam, aproximadamente, R$ 3 bilhões em emendas. A maior parte desse dinheiro foi destinada à compra de equipamentos agrícolas por preços até 259% acima dos valores da tabela fixada do próprio governo.

De acordo com o jornal paulista, o montante distribuído aos parlamentares foi contabilizado a partir de um conjunto de 101 ofícios enviados por deputados e senadores ao Ministério do Desenvolvimento Regional e órgãos vinculados para indicar como os parlamentares queriam que o dinheiro fosse usado. Essa, inclusive, é uma prerrogativa do ministro.

O esquema foi criado na gestão de Jair Bolsonaro em 2020 para atender deputados e senadores com a indicação de recursos de emendas em troca de apoio no Congresso. O esquema, que ficou conhecido como “Tratoraço”, permitiu a liberação de R$ 3 bilhões em verbas só do Ministério do Desenvolvimento Regional, sem que o dinheiro fosse submetido a qualquer regra fiscal ou supervisão popular.

Ao invés de seguir o caminho normal de direcionar recursos através de emendas parlamentares, que são votadas todos os anos e cujos recursos são fiscalizados pelos órgãos de controle, os congressistas criaram um novo método chamado de “emenda do relator”, cujo controle fica apenas com o Palácio do Planalto e os parlamentares envolvidos na negociação. Esse tipo de operação, a partir de um orçamento paralelo, dificulta a fiscalização dos recursos públicos tanto pelo Tribunal de Contas da União como pela própria sociedade.

Saiba +

CGU aponta sobrepreço em programa de cisternas ligado ao ministério dirigido por Rogério Marinho

PF encontra R$ 1,3 milhão em dinheiro durante operação que investiga estatal comandada por ministério de Rogério Marinho

Estatal que foi comandada por Rogério Marinho tem obras paradas, superfaturadas e com asfalto “movediço”

Estatal sob responsabilidade de Rogério Marinho não consegue comprovar obras do orçamento de R$ 3 bilhões

MPF vai investigar obra paga com orçamento secreto que beneficia Rogério Marinho

Rogério Marinho usa dinheiro público de orçamento secreto para construir mirante que beneficia terreno de sua propriedade

Rogério Marinho, no último dia como ministro, fala como pré-candidato, mas amarga rejeição

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.