DEMOCRACIA

Partido de Bolsonaro no RN tem candidatura de militar preso, médica conhecida por fake news, ex-governador rejeitado e ex-reitor sem voto

O Partido Liberal (PL), sigla de Bolsonaro, fez sua conferência estadual do Rio Grande do Norte e referendou os nomes dos mais de 30 candidatos do partido para as eleições de 2022, entre concorrentes a deputados, senador e suplente de senador. Nos destaques, um ex-policial militar reformado, que atualmente está preso acusado de ter cometido um triplo homicídio; uma médica que propagou mentiras durante a pandemia e teve vídeos removidos das redes sociais; o ex-governador Robinson Faria, marcado por uma gestão em que acumulou desgaste e rejeição, e um ex-reitor do IFRN, nomeado por Bolsonaro sem ter concorrido à eleição.

Entre as mulheres, o PL apenas cumpriu a cota mínima para não ter sua nominata barrada. Das 23 candidaturas para a Assembleia Legislativa do RN, apenas sete são do gênero feminino, que corresponde aos 30% exigidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na lista para deputados federais, a mesma coisa: dos nove postulantes, somente três são mulheres, também cumprindo o mínimo de 30%.

Considerando os que utilizam cargos militares no nome de urna, a situação muda. Para estadual, oito candidaturas utilizam cargos no nome, como “sargento”, “cabo” e “coronel”. Há ainda um “PQD”, termo usado para designar os oficiais militares que fazem parte da Brigada de Infantaria Paraquedista. O número poderia ser maior se Wendel Lagartixa, que é policial militar reformado, fizesse referência ao período na corporação. Ele preferiu utilizar somente o apelido. Dos nove concorrentes à Câmara, o índice é menor. Apenas um general e um sargento se apresentam com seus ofícios. 

Ex-PM preso, Lagartixa já esteve em outras investigações por relação com grupos de extermínio

Wendel Fagner Cortez de Almeida, conhecido como Wendel Lagartixa, foi preso no dia 20 de julho suspeito de ter participado de um triplo homicídio ocorrido em 29 de abril, em um bar no bairro da Redinha. Na ocasião, mais três pessoas sofreram tentativa de morte. Apesar disso, ele, que já era pré-candidato a deputado estadual na época, teve sua candidatura mantida e foi confirmado pelo partido. Um dos banners exibidos por seus apoiadores na convenção do PL dizia que Lagartixa era a “voz contra a bandidagem”. De acordo com a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa da Polícia Civil (DHPP), Wendel pode ser integrante de um grupo de extermínio.

Hoje, o candidato sustenta sua inocência e alega que sofre perseguição política, por fazer críticas contra a governadora Fátima Bezerra (PT). Lagartixa ficou conhecido na internet por gravar vídeos em manifestações de esquerda, em que provocava os participantes. Apesar de dizer que a motivação para sua prisão foi política, Lagartixa já acumula outras passagens pela Polícia, muito antes da eleição de Fátima Bezerra para o Governo do Rio Grande do Norte.

Em 2013, por exemplo, ele foi preso na Operação Hecatombe da Polícia Federal, acusado de participar de um grupo de extermínio. A soltura só veio porque o prazo de prisão preventiva extrapolou. Além disso, já esteve envolvido em outras investigações, como a Operação Fronteira, conduzida pela Polícia Civil.

Médica Roberta Lacerda propagou fake news e teve vídeos removidos 

Postulante à Câmara Federal, a médica infectologista Roberta Lacerda ficou conhecida durante a fase aguda da pandemia, em que inflamava um discurso antivacina nas redes sociais. Ela chegou a ter o perfil no Twitter suspenso e vídeos no YouTube excluídos após relacionar casos de câncer à imunização, em participação no Senado Federal. 

Lacerda é defensora ferrenha do chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19, estimulando o uso de medicamentos como ivermectina, azitromicina e hidroxicloroquina, que não têm eficácia comprovada contra a doença.

Em maio de 2021, a médica teve uma publicação removida do Instagram e criticou o que chamou de “censura”. O Instagram exclui informações falsas quando são denunciadas. No mês anterior, ela já tinha tido um vídeo de uma entrevista excluído do YouTube por, segundo a plataforma, “promover desinformação sobre a covid-19”. 

Ela também já teve publicações analisadas por agências de checagem de notícias, como o Projeto Comprova, que demonstrou que a médica distorcia informações para favorecer uma narrativa antivacina. 

Em janeiro de 2022, a médica convocou uma manifestação em Natal contra a imunização para crianças de cinco a 11 contra o vírus da Covid-19. Apesar de ser conhecida nas redes, a adesão foi mínima. Em julho, a capital iniciou a imunização para crianças de três a cinco anos.

No Governo do RN, Robinson Faria atrasou salários, acumulou rejeição e teve votação pífia à reeleição

Mais um destaque da convenção do Partido Liberal no Estado foi a oficialização do ex-deputado estadual, ex-vice-governador e ex-governador Robinson Faria, agora como postulante a uma cadeira na Câmara Federal. 

Ele pretende substituir seu filho, o deputado federal licenciado Fábio Faria, que atualmente ocupa o cargo de ministro das Comunicações no governo Bolsonaro. Em pesquisa feita pelo Ibope em agosto de 2018, último ano da gestão, 72% dos eleitores disseram que seu governo era “ruim ou péssimo”. Já ao serem perguntados sobre o nível de aprovação do governo, 81% responderam que desaprovavam.

Um dos fatos mais marcantes de sua gestão foi o atraso nos salários dos servidores. Em abril de 2016, o Governo Robinson atrasou o pagamento dos salários pela primeira vez. O prejuízo atingiu aposentados, pensionistas e parte de servidores da ativa. Ele conviveu com greves e críticas pesadas do funcionalismo estadual.

Em dezembro de 2018, Robinson Faria concluiu seu mandato como governador. A herança deixada foi de quatro folhas salariais não pagas, relativas ao meses de novembro e dezembro de 2018 e aos décimos de 2017 e 2018.

Com a má gestão e as contas do Estado prejudicadas, os servidores só terminaram de receber esses valores na conta em maio de 2022, quando a governadora Fátima Bezerra (PT) fez o pagamento da última parcela da folha salarial de dezembro de 2018. Mesmo com os índices negativos, Faria ainda tentou renovar o mandato à frente do Governo do RN, sem sucesso. Apesar de ter a máquina estadual sob suas mãos e uma projeção ao longo de quatro anos, ele teve apenas 11,85% dos votos e não conseguiu chegar ao segundo turno. 

Até o começo deste ano, Faria sequer podia concorrer a algum cargo político. Em 2021, ele havia sido condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2018. Uma das consequências foi a inelegibilidade por oito anos.

As acusações envolviam o desvirtuamento de programas sociais de financiamento e de segurança alimentar do governo do estado; uso promocional na doação de duas ambulâncias ao município de Santo Antônio (RN); inauguração de leitos de UTI em Currais Novos (RN); veiculação de publicidade institucional em período vedado mediante a permanência de outdoors em São Gonçalo do Amarante (RN); veiculação de publicidade institucional em período vedado, pelo Detran; e uso elevado de recursos financeiros com publicidade 

A proibição para as eleições só foi desfeita porque a defesa do ex-governador entrou com um recurso que foi acatado pela Corte do TSE. 

Bolsonarista, ex-reitor bolsonarista chegou ao cargo máximo do IFRN sem voto; agora, quer ser deputado federal

Outra figurinha do noticiário potiguar é Josué Moreira. Formado em Medicina Veterinária, ele é servidor do IFRN – Campus Ipanguaçu e ganhou relevância ao ser alçado à Reitoria da instituição em 2020, sem sequer ter concorrido ao cargo.

A eleição para o IFRN ocorre em lista tríplice. Os candidatos se inscrevem, concorrem e os três primeiros colocados são submetidos à escolha da presidência da República. Entretanto, é cultural que o primeiro colocado seja sempre nomeado. Não foi o que aconteceu no IFRN.

O pleito do IFRN aconteceu no dia 4 de dezembro de 2019 e foi vencido pelo professor José Arnóbio de Araújo Filho. Ele foi eleito reitor após ter 48,25% dos votos válidos. Em segundo lugar, ficou o reitor não reeleito Wyllys Abel Farkatt Tabosa com 42,26%. A eleição  ainda teve outros dois candidatos: José Ribeiro de Souza Filho e Ambrósio Silva de Araújo.

Apesar disso, Josué Moreira foi nomeado pelo Ministério da Educação (MEC) em 17 de abril de 2020 como reitor pro tempore, à revelia do voto dos docentes, técnico-administrativos e estudantes. Na época, o MEC era comandado por Abraham Weintraub.

Moreira ainda aproveitou para levar para a Reitoria o terceiro colocado da eleição, Ribeiro, que recebeu apenas 3,22%. Segundo o pro-tempore, Ribeiro ocuparia o cargo de vice-reitor, função que não existe no regimento interno do IFRN.

O golpe só foi desfeito em dezembro de 2020, quando o professor José Arnóbio de Araújo Filho foi nomeado para o cargo de reitor. A conquista veio após oito meses de protestos de servidores e alunos, descontentes com um novo não referendado pela comunidade.

Josué também tem uma carreira política controversa. Sua primeira tentativa de eleição foi em 2008, quando concorreu a vereador pelo PCdoB no interior do Ceará. Em Mossoró, concorreu a prefeito três vezes pelo Democracia Cristã (DC), sempre com votações inexpressivas. Numa dessas, em 2016, costurou uma aliança com o PSOL local, que à época era comandado por Raimundo Nonato Sobrinho, conhecido como Cinquentinha. 

O ex-psolista, hoje bolsonarista, lançou sua filha como candidata a vice-prefeita de Mossoró. A oposição do partido tentou formar uma frente de esquerda com o PSTU, sem sucesso. A última eleição de Josué foi em 2018, quando foi o segundo suplente de senador na chapa de de Dr. Joanilson. 

Confira a nominata completa do PL:

Deputado estadual

André Luiz Vieira de Azevedo – Coronel Azevedo

Antônio Fonseca da Silva – Arapuã de Macau

Antônio Pinto – Delegado Antônio Pinto

Emanoel Damasceno de Medeiros – Emanoel Cação

Julio Cesar Tertuliano Fontes Carneiro – Juninho Pavão

Heronildes M. de Araújo Júnior – Sargento Heronildes

Januncio Diniz Rocha Sobrinho – Dr. Januncio Rocha

Jonata Justino do Nascimento – Jonata Nascimento

Luís Fernando Sávio de E. Pinto – Delegado Luís Fernando

Melquisedec de Melo Lira – Cabo Melquisedec

Neilton Carlos Diógenes Magalhães – Neilton

Paul Cliveland Roberto V. Pereira – Tenente Cliveland 

Roberto Carlos Rodrigues – Rodrigues PQD

Thomas Magnus da Câmara Medeiros – Thomas Medeiros 

Victor Arabi Barbosa Peres – Victor Arabi 

Wendel Fagner Cortez de Almeida – Lagartixa

Adriana Firmino da S. Nascimento – Adriana A Trombeta

Daniela Santos da Silveira – Daniela Santos

Luciana Oliveira Monteira – Dra. Luciana Monteiro

Maria de Fátima Fernandes – Sub Fátima

Maria Gildete Pinheiro Araújo – Gildete Pinheiro

Niscelia Casciano dos Santos – Niscelia Casciano

Terezinha Maia de Medeiros – Terezinha Maia

Deputado federal

João da Silva Maia – João Maia

Elieser Girão Monteiro Filho – General Girão

Robinson Mesquita de Faria – Robinson Faria

Gabriel Cesar de Oliveira Siqueira – Gabriel Cesar

Evandro Gonçalves da S. Júnior – Sargento Gonçalves

Josué de Oliveira Moreira – Josué Moreira

Roberta Lacerda A. de M. Dantas – Dra. Roberta Lacerda

Carla Kaline Fernandes Câmara – Carla Câmara

Vilma Batista Rejane de Araújo – Vilma Batista

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo