CIDADANIA

Retroescavadeira destrói moradias em Rio do Fogo ignorando acordo da PM com o MST

A construtora Viverde Empreendimentos derrubou com retroescavadeira, nesta quinta-feira (4), moradias da Comuna Paraíso dos Carajás, acampamento urbano do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) em Rio do Fogo, no interior do Rio Grande do Norte. O ato aconteceu mesmo após acordo frustrado dos moradores com a Polícia Militar, que apoiava com grande efetivo a ordem de despejo.

De acordo com informações do movimento, pela manhã, os integrantes da Comuna estavam sendo deslocadas para o ginásio da cidade, após ter sido construída uma comissão, juntamente com a Prefeitura de Rio do Fogo, Governo do Estado e Defensoria Pública, com o objetivo de organizar uma área alternativa para as cerca de 340 famílias despejadas.

Foto: Matheus Mendes Comuna Carajás Rio do Fogo
Foto: Matheus Mendes

Na conversa, havia sido acordado que esperariam que todos se retirarem, cumprindo a decisão judicial. No entanto, as casas foram derrubadas, com os pertences das famílias, que estavam no local desde abril deste ano.

A área improdutiva em que a Comuna se formou chega a 950 hectares. A ocupação foi instalada no domingo em que o Massacre de Eldorado do Carajás completou 26 anos, durante a Jornada de Lutas por “Terra, Teto, Trabalho e Pão”.

Em vídeo divulgado pelo MST, a moradora Eliane lamentou a situação: “É muito triste chegar no movimento e ver o esforço da gente foi jogado fora. Meu coração está partido, porque é muito esforço mesmo jogado fora. Eu acho revoltante um batalhão de policiais vir aqui tirar a gente que trabalha é honesto, não rouba nada de ninguém. E chegar, a gente tá sendo tratado como cachorro. Acontece assalto em Rio do Fogo e não chega um policial aí vem um batalhão aqui pra tirar a gente!”.

“Com a ordem, tivessem esperado o povo desmanchar. Tem muita gente aqui que não tem casa pra morar, tá morando aqui nas terras e agora só Jesus sabe como é que vai ficar”, comentou outra moradora.

Famílias de acampamento do MST em Rio do Fogo são suprpreendidas com ação de despejo I Foto: cedida
Foto: Cedida

A decisão contraria uma determinação do Supremo Tribunal Federal, que suspende até o dia 31 de outubro deste ano, toda as ações de despejos e desocupações no país, por causa da pandemia da covid-19.

SAIBA MAIS: Justiça contraria decisão do STF que proíbe despejos e emite ordem de desocupação contra 40 famílias em Rio do Fogo

 

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais