CIDADANIA

RN tem 4 casos confirmados da varíola dos macacos e transmissão comunitária

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) confirmou mais dois casos da varíola dos macacos no Rio Grande do Norte, dessa vez, nas cidades de Mossoró e Parnamirim. Natal já tinha dois casos confirmados e, com isso, o Estado soma um total de 4 casos confirmados da doença. Além desses, há outros dois casos prováveis em Natal e 18 suspeitos, sendo 9 na capital, 4 em Parnamirim, 2 em São Gonçalo do Amarante, 1 em Angicos, 1 em Ceará-Mirim e 1 em Lagoa de Pedras.

Diante da mudança no padrão de transmissão, a Sesap já admite a transmissão comunitária da varíola dos macacos dentro do território potiguar. Inicialmente, foi detectado que os pacientes infectados haviam feito viagens, porém, os pacientes mais recentes já eram pessoas sem histórico de viagens ou contato com pessoas de fora. Com isso, as autoridades sanitárias avaliam que o vírus está em circulação pelo Rio Grande do Norte.

Em todo o Brasil, há 1.860 casos confirmados da varíola dos macacos em 19 estados e no Distrito Federal.

O que é a varíola dos macacos?

A doença é uma zoonose viral (vírus transmitido aos seres humanos a partir de animais) com sintomas semelhantes aos observados no passado em pacientes com varíola, porém com um quadro clínico de menor gravidade. O período de incubação é de 6 a 16 dias, podendo se estender a até 21 dias.

A varíola dos macacos era considerada uma doença endêmica (ocorre apenas em determinada área) em países da África Central e Oriental, mas nos últimos meses houve relatos da doença em vários países que não eram endêmicos, principalmente, na Europa.

Sintomas

Os sintomas são febre de início súbito acima de 38,5°C, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, calafrios e exaustão. O período de incubação da varíola dos macacos é, geralmente, de seis a 13 dias, mas pode variar de cinco a 21 dias, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Transmissão

A transmissão ocorre por contato próximo a lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados, como roupas de cama.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo