Homem é preso por suspeita de agredir e estuprar ex-namorada de 15 anos em Natal; mulher é estrangulada e enterrada nua no interior
Natal, RN 19 de jun 2024

Homem é preso por suspeita de agredir e estuprar ex-namorada de 15 anos em Natal; mulher é estrangulada e enterrada nua no interior

2 de setembro de 2022
8min
Homem é preso por suspeita de agredir e estuprar ex-namorada de 15 anos em Natal; mulher é estrangulada e enterrada nua no interior

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Um homem de 35 anos foi preso nesta quinta (02), em Natal, por suspeita de ameaçar, agredir e estuprar a ex-namorada, uma adolescente de 15 anos. O suspeito foi detido por policiais civis da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) com a ajuda da Delegacia Especializada de Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas (Deprov).

Já havia contra o suspeito um mandado de prisão preventiva em aberto. Agora, ele também será investigado pelos crimes de ameaça, lesão corporal e estupro contra a ex-companheira.

Vizinho suspeito

Também nesta quinta, policiais encontraram o corpo de Jéssica Maria Rodrigues da Silva, de 25 anos, enterrado próximo à própria residência, no município de Canguaretama, no litoral sul do Rio Grande do Norte. A vítima foi estrangulada e enterrada nua, enrolada apenas por um lençol, numa cova rasa em um terreno baldio.

A Polícia Civil da cidade também suspeita que a vítima tenha sido estuprada, mas a confirmação só será possível após o resultado de alguns exames. O vizinho de Jéssica, Josimar Keyvson, confessou o crime e foi preso depois que objetos da vítima foram encontrados em sua casa. Segundo a Polícia Civil, ao ser questionado sobre o paradeiro da vítima, ele se contradisse, levando os policiais a desconfiarem de seu comportamento e do fato de possuir alguns arranhões recentes na região do pescoço.

Josimar Keyvson foi convidado a prestar declarações na delegacia e acabou confessando ter tirado a vida de Jéssica  e enterrado seu corpo num terreno nas proximidades de onde moravam, além de ter subtraído bens da vítima, como uma motocicleta, um aparelho celular e uma televisão.

A família de Jéssica procurou a Polícia Civil para comunicar o desaparecimento da jovem nesta quinta (01). Eles disseram que não conseguiam fazer contato com a vítima desde a terça (30). O delegado responsável pelo caso desconfia que essa seja a data da morte da jovem. Durante a investigação, o delegado descartou o envolvimento do namorado e do ex-marido, com quem Jéssica mantinha uma boa relação.

OUTROS CASOS:

Mulher é morta a pauladas há menos de 1 semana

Na noite do último domingo (23), Adriana Alves de Bessa, de 36 anos, foi assassinada a pauladas pelo ex-companheiro Kenedy José da Silva, de 39 anos, de quem estava separada há cerca de dois meses.

O crime ocorreu na área rural do município de Encanto. Segundo a Polícia Militar, Kenedy não se conformava com o fim do relacionamento. Adriana, que era mãe de três filhos, já havia relatado a familiares que vinha sofrendo ameaças. Ela tinha ido deixar uma refeição para o ex-marido quando foi agredida com pauladas, principalmente, na cabeça. Depois de matar a ex-mulher, Kenedy José se entregou na delegacia de Pau dos Ferros, município que fica perto de Encanto.

Adriana Alves de Bessa, de 36 anos I Foto: G1/ RN
Adriana Alves de Bessa, de 36 anos I Foto: G1/ RN

Facadas

Em julho, Ana Carolina Ferreira de Oliveira, de apenas 22 anos, foi morta a facadas pelo ex-companheiro, na cidade de Mossoró.

Mais uma vez, o assassino não se conformava com o fim do relacionamento. Ele pegou a vítima de surpresa com vários golpes de faca e fugiu após cometer o crime. Os vizinhos, assim como no caso citado no início da reportagem, acionaram a polícia e uma ambulância, mas quando o socorro médico chegou, Ana já estava sem vida.

Na frente das filhas

Em março deste ano, Manuela Josino Miranda, de 32 anos, foi assassinada com dois tiros na cabeça efetuados pelo ex-companheiro, Maciel Ramalho, de 40 anos.

O crime ocorreu na frente da mãe da vítima e das duas filhas do ex-casal, de 6 e 8 anos. Manuela era nutricionista e tinha terminado o casamento de 12 anos há cerca de um mês. Ela tinha se mudado para Fortaleza, no Ceará, para evitar conflito com o ex-marido, que não se conformava com a separação. A vítima tinha voltado a Natal, junto com as filhas, para passar os dias de carnaval na casa da mãe, localizada no Conjunto Parque dos Coqueiros.

Manuela Josino Miranda havia se separado de Maciel Ramalho há cerca de um mês I Imagem: reprodução redes sociais
Manuela Josino Miranda havia se separado de Maciel Ramalho há cerca de um mês I Imagem: reprodução redes sociais

Corpo encontrado em açude

Também no mês de março, o corpo de Ingrid Caroline Soares dos Santos, de 28 anos, foi encontrado sem roupas em um açude do município de Campo Grande, na região Oeste do RN. Ingrid tinha três filhos. Um suspeito, ex-presidiário, foi preso como suspeito por ter sido a última pessoa a ter sido vista com a vítima.

Ingrid Caroline Soares dos Santos tinha 28 anos e deixa três filhos I Imagem: reprodução redes sociais
Ingrid Caroline Soares dos Santos tinha 28 anos e deixa três filhos I Imagem: reprodução redes sociais

Morte durante mudança

Em fevereiro, uma mulher de 43 anos foi assassinada dentro do apartamento do qual estava se mudando, na Avenida Maria Lacerda, em Nova Parnamirim, região metropolitana de Natal, pelo ex-companheiro que a matou a tiros.

O homem teria efetuado os disparos contra a vítima e depois cometido suicídio. A mulher estava acompanhada pela filha, que também tinha levado o namorado pra ajudar na mudança. O agressor, que tinha 33 anos, chegou ao local, mandou que o casal saísse e se trancou com a mulher no apartamento. A jovem, que tem cerca de 20 anos, é filha de outro relacionamento da vítima.

Violência Doméstica em Poço Branco

Policiais civis de João Câmara prenderam, nessa última quarta-feira (31), a um mandado de prisão preventiva contra Jean Maycon Lima dos Santos, 19 anos. Ele foi detido no distrito de Oiticica, zona rural de João Câmara, pela suspeita de praticar violência doméstica e familiar contra sua companheira, que tinha medidas protetivas de urgência. O mandado de prisão foi expedido pela 1ª Vara da Comarca de João Câmara, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN).

CASOS REGISTRADOS

No primeiro semestre de 2022, os casos de feminicídios permaneceram dentro da média do que havia sido registrado no mesmo período do ano passado. Nos seis primeiros meses de 2022, foram registrados 12 feminicídios em todo o RN. Número bem próximo dos 11 casos registrados no mesmo período do ano passado.

Entre março de 2021 e março de 2022, a Justiça concedeu uma média diária de sete medidas protetivas a vítimas de violência doméstica e familiar no Rio Grande do Norte. Ao longo desse período, foram 2.724 medidas de proteção que desde março passaram a ser incluídas, automaticamente, na plataforma Proteger, um contador de medidas protetivas disponibilizado no site do TJRN (https://www.tjrn.jus.br/proteger).

DENUNCIE SEM SE IDENTIFICAR

Ligue 180

O serviço registra e encaminha denúncias de violência contra a mulher aos órgão competentes, bem como reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento. O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam), Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros.

A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. São atendidas todas as pessoas que ligam relatando eventos de violência contra a mulher. O Ligue 180 atende todo o território nacional e também pode ser acessado em outros países.

Saiba +

Por dia, sete mulheres do RN recebem medida protetiva da Justiça Estadual

RN tem queda de estupros, porém registra alta de casos de violência doméstica

Feminicídio: jovem de 22 anos é morta por ex-companheiro em Mossoró

Violência contra a mulher triplicou no Brasil em 2021 e em 2022 houve um feminicídio a cada 8 dias no RN

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.