CULTURA

Livro sobre distopia na Amazônia, de Milla Valcácer, será lançado nesta terça (13), na Cooperativa Cultural

Uma distopia ambientada na Amazônia, onde o mundo perdeu praticamente toda sua história e uma jovem que fugiu do próprio destino para sonhar com uma rebelião em meio a um universo cruel, onde há sangue por toda parte. É nesse ambiente que Milla Valcácer desenha as histórias de resistência que marcam o segundo volume de “A Guerra e o Fogo: A Rebelião dos Perdedores” (Casa Editorial, 2022), que será lançado na Cooperativa Cultura nesta terça-feira (13), às 16h.

O evento faz parte da comemoração dos 45 anos da Cooperativa, celebrados em 2022. Ao longo desse tempo, a Livraria se consolidou como um espaço de encontros, sociabilidade, sensibilidade, confraternização e de resistência cultural e política. Tudo isso com um excelente acervo bibliográfico nas áreas das ciências, artes, música e literatura em geral.

A história traz o embate entre os Dignos (eleitos supostamente pelos deuses) e os Sujos (que deveriam servir aos Dignos). Contrários a esse ‘acordo’, os Sujos decidem lutar.

O ambiente distópico se passa, portanto, no final de uma guerra, onde os Dignos caminham para uma vitória, ao mesmo tempo em que os Sujos ainda enxergam em si alguma distinção para se permitirem continuar a luta. Para eles, a única possibilidade de vencer o conflito seria conseguir o comando de um grande líder – um homem recluso, de quem não se tem informações. Os Sujos, então, resolvem atraí-lo para lutar. Nesse processo, o grupo se encontra com Astrid Blomer, que está prestes a se tornar a profetisa de uma religião que domina o mundo e proclama guerra, intolerância e ódio. Por discordar da doutrina, Astrid procura se unir aos Sujos, conforme narrado no volume I do livro (disponível atualmente apenas em e-book).

A história começou a ser escrita ainda na adolescência e, segundo Milla Valcácer, traz muito de sua essência à época. Apaixonada por distopias, as inspirações da autora são clássicos da literatura mundial, como Admirável Mundo Novo (Aldous Huxley), 1984 (George Orwell) e Laranja Mecânica (Anthony Burgess). Além disso, Milla Valcácer também bebeu na fonte das aulas de História, Sociologia, Filosofia, Geografia e Literatura, bem como de filmes, séries e animes que acompanhou.

“A ideia do livro surgiu aos 11 anos, mas comecei a escrever entre os 13 e 16 anos e lapidei a história aos 20, com muito amor. Tenho um planejamento geral da obra e, com base nisso, vou decidindo os capítulos. Cresci e amadureci escrevendo “A Guerra e o Fogo”. Vi que algumas coisas, ao longo desse tempo, não combinavam mais comigo, mas, em geral, respeitei muito a Milla de 16 anos que deu vida à história, porque é um pouco da minha essência lá atrás”, frisa a autora.

O lançamento desta terça-feira terá mediação de Andreia Braz.

Sobre a autora

Aos 26 anos, Milla Valcácer carrega um amor visceral pela escrita. Formada em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a autora se define como uma eterna apaixonada por Literatura, Filosofia, Cinema e Beatles. “A Guerra e o Fogo: A Rebelião dos Perdedores” acompanha grande parte da vida de Milla, que pretende lançar, em breve, o terceiro volume da obra.

“Muitas coisas me inspiram no processo de escrita. Me lembro que, para essa história, eu costumava acordar bem cedo, uma hora antes da escola, para pensar no livro. Fico horas escrevendo”, confessa Milla ao falar da devoção que tem pelas letras.

Serviço:
O que: lançamento do livro “A Guerra e o Fogo: A Rebelião dos Perdedores”
Quando: terça-feira (13), às 16h
Onde: Livraria Cooperativa Cultural (no Centro de Convivência da UFRN)

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo