Câmara rejeita Título de Cidadão Santacruzense para Rogério Marinho
Natal, RN 18 de jun 2024

Câmara rejeita Título de Cidadão Santacruzense para Rogério Marinho

9 de novembro de 2022
2min
Câmara rejeita Título de Cidadão Santacruzense para Rogério Marinho

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A Câmara Municipal de Santa Cruz rejeitou, nessa terça-feira (8), o Projeto de Decreto Legislativo nº 035, de autoria do do vereador Rodolfo Bezerril (PSB), que dava ao senador eleito Rogério Marinho (PL) o Título de Cidadão Santacruzense. Para ser aprovada, a matéria precisaria de maioria absoluta do colegiado, ou seja, no mínimo nove votos. 

A proposição recebeu oito votos a favor, uma abstenção, do vereador Josemar Bezerra (PL) - mesmo partido de Rogério Marinho - e um voto contra, do vereador Lucicláudio Bezerra (PCdoB). 

“Como Rogério Marinho, na condição de deputado federal votou contra a classe trabalhadora, inclusive sendo relator da reforma trabalhista, eu não poderia votar a favor”, declarou o vereador Lucicláudio.

O projeto já havia sido votado - e também rejeitado - na semana passada, com votos contrários dos vereadores Lucicláudio e Paulo César Bejú (PL). No entanto, conforme o regimento interno da Casa legislativa, não havia quórum suficiente para votação e, por isso, a proposição voltou para a pauta nessa semana.

Quem é Rogério Marinho

Eleito senador nas Eleições 2022 com 41,85% dos votos válidos, Rogério Marinho já disputou nove eleições no RN - para cargos como vereador e prefeito de Natal e deputado federal. Foi ministro do Desenvolvimento Regional do governo Bolsonaro (PL) de fevereiro de 2020 a março de 2022, quando foi exonerado para concorrer ao Senado.

Marinho ganhou destaque na última legislatura como deputado federal, quando foi relator da reforma trabalhista proposta pelo governo de Michel Temer (MDB). Na proposta aprovada,  foram alterados cerca de cem pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a partir de reivindicações do empresariado brasileiro. 

A reforma ainda trouxe a jornada de trabalho intermitente, sem garantia de jornada fixa, e aumentou a terceirização

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.