Sem médicos e com uma enfermeira, paciente sai de UPA de Natal sem atendimento após espera de três horas
Natal, RN 13 de jul 2024

Sem médicos e com uma enfermeira, paciente sai de UPA de Natal sem atendimento após espera de três horas

28 de novembro de 2022
3min
Sem médicos e com uma enfermeira, paciente sai de UPA de Natal sem atendimento após espera de três horas

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Sem receber salários desde julho, os atendimentos médicos estão paralisados desde quinta-feira (24) na rede municipal de saúde de Natal. Com isso, pacientes enfrentam demoras e longas filas devido ao atraso do pagamento dos salários por parte da Prefeitura. “Fizeram uma política interna de só atender quem está morrendo”, reclamou uma estudante, que foi até a UPA de Cidade da Esperança neste domingo (27) com sintomas de Covid-19.

“Cheguei lá e estava com a situação da greve da saúde. Simplesmente os médicos estão alegando que estão cinco meses sem receber por culpa de Álvaro Dias. Fizeram uma política interna, e estão fazendo em todas as UPAs, de só atender quem está morrendo, ou seja, urgência”, explicou Sabrina Medeiros, aluna do curso de Gestão de Políticas Públicas na UFRN. “Se você estiver com pressão muito alterada ou desmaiando, morrendo, é que atendem”.

Os serviços de alta e média complexidade seguem funcionando somente para pacientes internados e cirurgias de urgência. Ambulatórios fecham, UPAs e portas de urgências funcionam com 30% da capacidade, maternidades e SAMU mantêm funcionamento pleno.

Nas redes sociais, o diretor financeiro da Cooperativa Médica do RN (Coopmed/RN), Luís Eduardo Barbalho, disse que os profissionais reivindicam apenas o pagamento dos atrasados.

“Não estamos aqui pleiteando aumento ou reajuste, de forma alguma, apenas que recebamos o que já foi faturado pelo poder público. Isso representa um número volumoso de atendimentos que estão sendo interrompidos por uma ruptura de contrato pelo poder público”, esclareceu.

Segundo Medeiros, sua espera foi de três horas apenas para passar pela triagem, e mesmo assim ela ainda saiu sem atendimento.

“Eu consegui passar da triagem depois de três horas. Quando eu cheguei na outra sala, que nem todo mundo estava passando, não tinha médico. Fui bater na direção e o homem disse que não tinha como falar nada porque não tinha nem um médico lá mais. Só tinha um enfermeiro na UPA inteira que estava atendendo um senhor acamado”, lembrou.

Na unidade, afirmou, havia uma falta generalizada de produtos. “Tinha muita gente com sintomas de Covid e lá é comum fazer exame junto com hemograma, mas não tinha medicação, dipirona, gases, materiais para sutura”, relatou.

Seu desejo era de sair da UPA ao menos com um antibiótico, e ainda assim não conseguiu. A estudante deve voltar nesta segunda (28) para tentar um teste de Covid-19.

Procurada, a Coopmed disse que a situação permanece a mesma desde o início da paralisação. A Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS) não respondeu aos questionamentos da Agência Saiba Mais sobre o problema.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.