A UFRN tem projeto que ensina forró e já atendeu 2 mil pessoas; saiba como participar
Natal, RN 20 de jul 2024

A UFRN tem projeto que ensina forró e já atendeu 2 mil pessoas; saiba como participar

5 de dezembro de 2022
4min
A UFRN tem projeto que ensina forró e já atendeu 2 mil pessoas; saiba como participar

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O projeto Dançando Forró na UFRN, ação de extensão do Departamento de Educação Física da UFRN, completa sete anos de existência. A comemoração acontece no dia 10 de dezembro, a partir das 15h, no Samosaria Hare, restaurante vegano localizado no bairro de Pium. O projeto já atendeu mais de 2 mil pessoas e abre vagas todo início de semestre.

O objetivo é oferecer não apenas aprendizado do ritmo nordestino, mas oferecer conhecimentos culturais e simbólicos dessa dança popular da região. O projeto oferece vagas para aulas de forró em todo início de semestre. Os inscritos têm acesso a uma metodologia baseada em aulas teóricas e práticas e, ao longo das atividades, vão tendo contato com algumas habilidades como ritmo, musicalidade e consciência corporal. Nas aulas, todos os condutores dançam com todos os conduzidos.

“Em sete anos de existência, onde já passaram tantos alunos, é muito gratificante ver a transformação da cultura e o engajamento de todos, principalmente dos jovens. Hoje, é comum ver o pessoal pela cidade dançando o forró pé de serra e mantendo esta cultura tão viva. Além da UFRN, em nossa cidade temos escolas de dança que ajudam neste incentivo. Natal hoje se diferencia de outras capitais do nordeste no quesito forró pé de serra”, conta Adriano Alves, colaborador do projeto.

Adriano afirma ainda que as danças populares são compreendidas como criações do povo, saberes simbólicos, artísticos e culturais, evidenciando marcas inscritas no corpo daqueles que as criaram, propagando ao longo do tempo formas de viver e conviver expressas em cada movimento dançante. “Acreditamos que o conhecimento sobre o universo das danças populares pode contribuir para amplificar o sentido da educação, não só pautada no conhecimento técnico, mas na inserção dos indivíduos no universo da cultura e da arte”, ressalta.

Juliana Saldanha, ex-aluna do projeto, hoje colaboradora, conta que entrou no projeto como aluna do nível básico no segundo semestre de 2018. “Nessa época, eu trabalhava em uma empresa privada e estudava à noite na UFRN, onde fazia a graduação em letras. Devido a essa dupla jornada, me sentia muito estressada e sobrecarregada. A ideia de fazer alguma atividade física mais leve, como uma dança, surgiu a partir do momento que decidi fazer algo para melhorar a minha qualidade de vida. Comecei a procurar aulas de dança e encontrei o projeto de extensão dançando forró na UFRN”, lembra.

Juliana disse que se encantou logo na primeira aula. “Conclui o nível básico e o intermediário e, no ano de 2019, entrei como colaboradora voluntária. Para mim, participar desse projeto, atualmente como colaboradora, é algo muito gratificante e que me traz muito orgulho, pois nele tenho a oportunidade de praticar uma atividade física regular, dançando, além da oportunidade de conhecer pessoas de todas as idades, crenças, escolaridade e, o mais importante, tenho a oportunidade de manter viva a cultura do forró pé de serra”, conta.

Projeto nasceu de alunos da UFRN que fizeram intercâmbio em Toronto
O Dançando Forró na UFRN nasceu do amor pela dança de um grupo de estudantes da Universidade que faziam intercâmbio em Toronto, em 2015. Eles faziam aulas de dança que se assemelham ao forró pé de serra, mas, ao voltarem a Natal, não encontraram academia de dança especializada nesse gênero. Dessa forma, o grupo teve iniciativa de iniciar o ensino e a prática do ritmo na UFRN, dando origem ao projeto e promovendo a cultura local e a vivência com as danças populares, em especial o forró. Os integrantes acreditam que esse conhecimento pode contribuir para amplificar o sentido da educação, não só pautada na técnica, mas na inserção dos indivíduos no universo da cultura e da arte.

  • Com informações da Agência da UFRN

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.