Fátima critica “caráter eleitoreiro” da redução do ICMS: “sobrou para o povo que precisa de saúde e educação”
Natal, RN 20 de jul 2024

Fátima critica "caráter eleitoreiro” da redução do ICMS: “sobrou para o povo que precisa de saúde e educação”

8 de dezembro de 2022
4min
Fátima critica

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A governadora Fátima Bezerra (PT) foi uma das convidadas do seminário realizado pelo Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e Distrito Federal (Comsefaz), nesta quarta-feira (7), em Natal. O evento busca discutir a defesa de um maior poder de participação dos Estados nas decisões do país. Para Fátima, a lei que limita o ICMS dos combustíveis, aprovada este ano pelo governo Bolsonaro, foi uma medida de “caráter eleitoreiro” e que “sobrou para o povo que precisa ter assegurado o direito à educação, à saúde, às políticas de assistência social.”

“Ninguém está questionando o preço abusivo dos combustíveis nesse país. O preço da gasolina chegou a níveis insuportáveis. Agora, o que não é justo, o que não é sensato, foi a medida que o Governo nacional tomou, foi o remédio que foi dado para curar essa ferida, porque sobrou para o povo que precisa ter assegurado o direito à educação, à saúde, às políticas de assistência social”, disse a gestora.

Segundo a governadora, a redução do ICMS causou uma perda de cerca de R$ 300 milhões por mês aos cofres potiguares. 

“Essa perda daria para a gente assegurar durante 4 anos o financiamento do programa social do leite, que é segurança alimentar e apoio ao pequeno agricultor”, afirmou.

Para a petista, houve uma série de medidas do governo Bolsonaro que quebraram o Pacto Federativo e afetaram os Estados e municípios. Ela citou, como exemplo, o “apagão” na educação.

“É com muita dor que estamos vendo o apagão no campo da educação. Amanhecemos com o reitor da UFRN dizendo à população que se não houver um socorro financeiro, ele não vai ter como manter a instituição funcionando até 31 de dezembro. Essa agenda foi duramente afetada e é um outro exemplo de como as coisas não podem acontecer como aconteceu nesse período: falta de diálogo, falta de interlocução, infelizmente omissão do Ministério da Educação que sequer conseguiu articular uma reunião com os secretários estaduais de educação por todo o país”, apontou.

Momento é de “instabilidade federativa”, diz presidente do Comsefaz

Ainda na mesa de abertura, outro a falar foi o atual presidente do Comsefaz, Décio Padilha. Secretário da Fazendo de Pernambuco, ele afirmou que a política federal é feita de forma unilateral. 

“Estamos diante de uma instabilidade federativa. Ora o Governo Federal isoladamente, ora o Congresso Nacional sem escutar os Estados, [faz] uma série de medidas de caráter estrutural-permanente, para tentar resolver problemas conjunturais que afetam o imposto da educação. Qual é o imposto da educação? Só existe um: o ICMS. No mínimo 25% vai para a educação. Também poderia dizer que é o imposto da educação, que é a base da segurança, mas essa vinculação constitucional com a educação já sinaliza que não se pode alterar ele de forma abrupta sem antes sentar com os Estados, especificamente com os governadores”, salientou.

Uma reivindicação do evento é a institucionalização do Fórum de Governadores, como apontado pelo ex-governador e senador eleito pelo Piauí, Wellington Dias (PT). Atualmente, o órgão funciona apenas como um espaço de encontro entre os chefes dos Executivos estaduais.

“A experiência do Consórcio do Nordeste e do Fórum de Governadores do Nordeste entra para a história. Mostra a lição de que juntos somos mais fortes. Quando se tem grandes problemas, essa união traz resultados”, disse, em vídeo gravado para os participantes.

Já o secretário de Tributação do Rio Grande do Norte, Carlos Eduardo Xavier, destacou os desafios do evento.

“Nós enfrentamos, principalmente em 2021 e 2022, desafios que cada vez mais nos colocaram numa situação que se não nos uníssemos, seriam muito maiores os desafios. A maioria dos estados em 2019 enfrentava uma grande crise fiscal. Fruto do trabalho da equipe e dos governadores, a gente conseguiu reverter esse quadro. Infelizmente, com essas últimas alterações no ICMS que aconteceram ao longo de 2022, o quadro de novo se tornou muito desafiador. Nós temos como desafios nesses três dias em Natal buscar caminhos para equilibrar nossas contas.”

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.