Negros são maioria entre desempregados no RN e recebem até R$ 882 a menos do que brancos
Natal, RN 22 de jun 2024

Negros são maioria entre desempregados no RN e recebem até R$ 882 a menos do que brancos

1 de dezembro de 2022
4min
Negros são maioria entre desempregados no RN e recebem até R$ 882 a menos do que brancos

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Em 2021, o Rio Grande do Norte teve uma taxa de desocupação de 15,6%. Entre as pessoas brancas essa taxa foi de 13,0%, menor se comparada entre pretas (18,9%) e pardas (16,9%). Os dados, divulgados pelo IBGE, também apontam que essa disparidade vem aumentando ao longo dos anos. Em 2012 a taxa de desocupação era de 10,8%, sendo de 9,1% entre brancos, 8,8% entre pretos e 12,2% entre pardos.

São considerados desocupadas, aquelas pessoas que estão sem trabalhar, mas continuam à procura de emprego. Ao todo, o total de postos formais e informais ocupados por pessoas pretas no Rio Grande do Norte saiu de 38 mil em 2012 para 126 mil em 2021, o que representa um aumento percentual de cerca de 228%.

Porém, a quantidade de postos formais e informais ocupados por pretos continua sendo menor do que os ocupados por brancos e pardos. Em 2021, pessoas brancas ocupavam 520 mil postos formais e informais, uma diferença de aproximadamente 311% em relação aos postos ocupados por pessoas pretas. Já na comparação com pessoas pardas, foram 653 mil postos ocupados, uma diferença de aproximadamente 417%.

Negros recebem menos...

Além de serem maioria entre os desocupados, pessoas negras também recebem menor por seu trabalho. A pesquisa do IBGE também mostrou que o rendimento médio real habitual do trabalho principal das pessoas de 14 anos ou mais de idade em trabalhos formais e informais no Rio Grande do Norte em 2021 foi de R$ 2.029,00.

Mas, entre as pessoas brancas, essa média foi de R$ 2.439,00, maior do que entre as pessoas pretas (R$ 1.557,00) e pardas (R$ 1.797,00). Uma diferença salarial de R$ 882,18 entre brancos e pretos e de R$ 642,03 entre brancos e pardos. A maior diferença salarial registrada no país entre brancos e pretos foi de R$ 2.604,69 e entre brancos e pardos foi de R$ 1.989,57, ambas no Distrito Federal.

Moradia ...

O IBGE também fez o levantamento de quanto seria o valor médio do aluguel estimado dos domicílios próprios caso eles fossem alugados nos anos de 2017 e 2018. No Rio Grande do Norte, a média total estimada era de R$ 424,00, já para pessoas brancas essa média subia para R$ 500,00 e, entre pessoas pretas ou pardas, a estimativa era de R$ 379,00, uma diferença de R$121,17.

Entre as Unidades da Federação, mais uma vez, o Distrito Federal apresentou a maior diferença entre brancos e pretos ou pardos (R$ 692,80), já a menor foi a do Acre (R$ 40,63). No Brasil, o valor do aluguel estimado dos domicílios próprios de pessoas brancas era de R$ 998,00, enquanto que para pessoas pretas ou pardas essa média caiu para R$ 555,00, diferença de R$ 443,32.

Escola...

Em 2019, o percentual de estudantes de 13 a 17 anos que não compareceram à escola por falta de segurança no trajeto casa-escola ou na escola nos 30 dias anteriores a pesquisa foi de 15,1% no Rio Grande do Norte. Este percentual era de 13,6% entre alunos brancos; de 18% entre pretos; e 14,2% entre pardos.

O percentual de estudantes pretos que se sentiram inseguros para irem ou permanecerem na escola foi maior do que brancos e pardos em 20 das 26 Unidades da Federação mais o Distrito Federal. Roraima apresentou o maior índice com 27,2% das crianças pretas se sentindo inseguras, enquanto que brancas e pardas foram 18,4% e 17,4% respectivamente.

Esses dados foram extraídos da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar. Da mesma pesquisa também foram extraídos dados sobre os estudantes de 13 a 17 anos que estiveram envolvidos em briga na qual alguma pessoa usou arma branca. Junto com o Ceará, o Rio Grande do Norte é o estado brasileiro com o menor percentual nacional (3,7%) de alunos de 13 a 17 anos que, em 2019, estiveram envolvidos em briga na qual alguma pessoa usou arma branca nos 30 dias anteriores à pesquisa. Desse percentual, no RN, 3,2% eram brancos, 5,1% pretos e 3,6% pardos.

Nacionalmente, esses valores caíram se comparado a anos anteriores. Em 2015, o percentual nacional total foi de 7,9%, brancos 6,1%, pretos 13,8% e pardos 7,4%. Já em 2019, os números foram menores, porém o percentual de pessoas pretas (7,3%) que se envolveram em brigas com uso de arma branca ainda supera o de pessoas brancas (4,0%) e pardas (4,5%).

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.