Vaca profana
Natal, RN 23 de jul 2024

Vaca profana

4 de dezembro de 2022
4min
Vaca profana

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Por Ana Cláudia Trigueiro

Gal Costa faleceu poucos dias antes do Encontro Nacional do Mulherio das Letras, que comemorou cinco anos da existência do coletivo. A diva tomou o rumo das estrelas defendendo causas justas até o último instante, por isso, considero que ela é a cara do movimento, idealizado em 2017 pela escritora Maria Valéria Resende. Assim como o Mulherio, a baiana despertou mulheres de todo o Brasil desejosas de uma voz que representasse sua existência diversa e livre:

Respeito muito minhas lágrimas
Mas ainda mais minha risada
Inscrevo assim minhas palavras
Na voz de uma mulher sagrada

Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada...

Gal era a mulher sagrada para quem Caetano compunha os versos alegóricos sobre os tempos duros que o país vivia. A voz forte e extensa dizia ainda mais do que a mensagem propunha e dizia com a segurança de quem sabia de sua condição de mensageira divina: 

Ê!
Dona das divinas tetas
derrama o leite bom na minha cara
e o leite mau na cara dos caretas...

Foi pensando na forma desigual com que escritoras eram tratadas no mercado editorial que Maria Valéria idealizou o Mulherio das Letras. Com a ajuda de outras escritoras criou o grupo no Facebook, que hoje conta com sete mil e quinhentas integrantes e luta para dar visibilidade a mulheres ligadas à cadeia criativa e produtiva do livro.

 Segue a movida Madrileña
Também te mata Barcelona
Napoli, Pino, Pi Paus, Punks
Picassos movem-se por Londres

Bahia onipresentemente
Rio e Belíssimo Horizonte
Bahia onipresentemente
Rio e Belíssimo Horizonte...

Desde o início até agora, o coletivo organizou eventos presenciais e remotos, promoveu e apoiou pessoas, grupos, pautas, livros, publicou antologias, organizou rodas de conversa, debates, oficinas e saraus, sempre em uma perspectiva colaborativa e não submetida aos interesses do mercado editorial. Nos eventos, mulheres de diferentes orientações sexuais, etnias, classes e lugares têm seu lugar de fala garantido, o que é revolucionário em relação à visibilidade que a sociedade ainda reserva às escritoras.

Quero que pinte um amor Bethânia
Stevie Wonder andaluz
Como o que tive em Tel Aviv
Perto do mar, longe da cruz

Quando eu tinha oito anos e passava dias na casa dos meus avós, ouvia a radiola da vizinha, fã de Gal. Na mrada protestante não podia haver televisão ou rádio. Músicas e novelas eram proibidas. Mas a voz gostosa e inconfundível da baiana entrava pela janela, tocando nossa alma muito mais do que as rígidas canções do hinário. Acho que meus avós fingiam não se comover, mas sua vontade era a de balançar os corpos (mesmo que discretamente) como eu fazia, enquanto lavava a louça. 

Mas eu também sei ser careta
De perto, ninguém é normal
Às vezes segue em linha reta
A vida, que é meu bem, meu mal

A diva se foi, mas deixou sua voz, sua potência e sua alegria conosco. O Mulherio cresce, dançando e cantando seus versos, agora, em coro, pois somos tropicalistas desde meninas.

Nunca pensei antes, que ter me tornado escritora tivesse a ver com a intérprete de Vaca Profana, mas, pensando bem, muitas das minhas heroínas tem algo de Gal.

E o que estou fazendo agora se não, me render a ela, como Caetano fez e “inscrever assim minhas palavras, na voz de uma mulher sagrada?”.

 Ê! Deusa de assombrosas tetas...

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.