Praias potiguares têm lazer limitado; saiba o motivo
Natal, RN 23 de jul 2024

Praias potiguares têm lazer limitado; saiba o motivo

26 de fevereiro de 2023
5min
Praias potiguares têm lazer limitado; saiba o motivo

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Por Karen Sousa

É verão: o melhor momento para visitar e aproveitar as praias do litoral potiguar, mas isso requer um cuidado especial. De acordo com o mais recente Boletim de Balneabilidade, divulgado pelo Instituto de Defesa do Meio Ambiente em Natal (IDEMA) em 18 de fevereiro,  nove pontos do litoral estão identificados como impróprios para banho ou recreação. Mas por que isso ocorre?

Uma praia é classificada como imprópria para banho quando são detectadas em suas águas elementos de poluição como coliformes termotolerantes, a bactéria Escherichia coli ou enterococos, capazes de gerar infecções. Além disso, materiais como óleos e graxas e alguns patógenos também são agentes contaminantes.

O estudo da balneabilidade não se restringe a observação dessas bactérias na praia. A lista de elementos poluidores aumenta quando são encontradas ligações irregulares de esgotos domiciliares às galerias pluviais, as quais recebem as águas da chuva que deságuam nas praias, segundo explica Werner Farkatt, diretor técnico do Idema.

O descarte incorreto de lixo é um dos motivos para a contaminação das águas. Foto: Ronaldo Diniz.

“Adicionalmente podem existir as ligações clandestinas de esgoto às redes de águas pluviais como também o contrário: águas pluviais ligadas às redes de esgoto, mas  uma não pode receber a outra”, cita ele como uma das causas para a poluição das águas das praias.

Ele destaca ainda, como agravante do problema, o descarte incorreto de lixo e a influência que ele tem sobre o transbordamento de bueiros:

“O transbordar dessas águas misturadas vão para as praias, e com a chuva, é ultrapassada a capacidade de suporte e vazam águas que acabam contaminando muitas áreas. As tubulações são dimensionadas para uma determinada carga, se for colocado mais que a capacidade daquela tubulação, ela pode estourar em alguns locais”, coloca Werner.

O especialista do Idema afirma que os períodos mais comuns de se observar a poluição das águas do litoral são nas temporadas chuvosas.

"Quando ocorre a precipitação, as chuvas varrem as ruas, e nesse caso, elas já trazem contaminantes, que são as fezes dos animais que estão presentes nas ruas de uma forma geral”, explica.

Próprias ou impróprias

Hoje, entre os 51 pontos analisados, estão impróprias as áreas da Ponte Nova e Balneário Pium, no Rio Pium, Free Willy e o acesso principal da praia de Ponta Negra, Cacimba do Boi e Barreira D’água, na Via Costeira, a Praça da Jangada, em Areia Preta e a praia de Maracajaú.

O que determina uma área como imprópria para recreação é indicado pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), segundo a Resolução 274, que aponta como águas contaminadas aquelas em que o valor obtido na amostragem for superior a 2500 coliformes termotolerantes, 2000 Escherichia coli ou 400 enterococos por 100 mililitros.

O Idema realiza o monitoramento de praias semanalmente. Foto: IDEMA.

Também é requisito para ser considerada imprópria se, nas águas, for encontrada a presença de resíduos ou despejos, incluindo esgotos sanitários, incidência elevada de enfermidades transmissíveis por via hídrica ou a floração de algas ou outros organismos prejudiciais à saúde humana.

“Quando esses locais apresentam algum parâmetro que está fora do aceitável e ele se repete continuamente em pelo menos três semanas consecutivas, nós recomendamos a indicação daquela praia como não própria”.

Werner Farkatt, diretor técnico do Idema

Esse monitoramento é realizado pelo Programa Água Azul, do Idema, e acontece semanalmente, a partir de coletas de amostras em locais fixos dos pontos do litoral.

“A água é levada a um laboratório no IFRN e com base na quantidade de coliformes termotolerantes, ela é própria ou imprópria”, ressalta Ronaldo Diniz, coordenador do Programa.

Constância do Rio Pium

Nos boletins de balneabilidade divulgados semanalmente, áreas do Rio Pium, em Parnamirim, apresentam constância estando presente em todos os boletins divulgados em 2023. Não existe exatidão acerca do motivo que explique a situação imprópria do Rio Pium, mas é possível que esteja atrelado ao lançamento de efluentes sem tratamento direto no rio, segundo afirma Werner.

“Ao longo do rio, existe uma carga de efluentes sendo frequentemente lançadas, alguns com baixo tratamento e outros ainda quase in natura e tem uma outra situação que pode levar à essa contaminação: os vários empreendimentos na região e lençol freático raso”, adiciona.

Com o descarte incorreto, pode haver a infecção do lençol freático que leva ao rio.

Grandes riscos

Ao mergulhar em uma água contaminada, a saúde humana está exposta a riscos de agentes patógenos, que causam doenças infecciosas. Também podem estar presentes nas águas bactérias, parasitas e vírus, além do perigo de inflamações no trato gastrointestinal e infecções no globo ocular.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.