RN tem quase 31 mil pessoas na fila da Previdência
Natal, RN 21 de mai 2024

RN tem quase 31 mil pessoas na fila da Previdência

27 de fevereiro de 2023
4min
RN tem quase 31 mil pessoas na fila da Previdência

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O Rio Grande do Norte registrou, em janeiro de 2023, 30.860 pessoas na fila da Previdência Social. A espera reúne tanto pessoas que estão com solicitações para benefícios como aposentadoria e pensão, como também os pedidos de perícia médica. Nacionalmente, a fila bate 1,793 milhão de segurados que esperam alguma resposta para o pedido inicial do benefício.

Entre os potiguares, 22.141 estão diretamente na fila do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), enquanto outros 8.719 aguardam a análise pericial do benefício por incapacidade. Em dezembro de 2022, a espera pela perícia tinha 7.868 pedidos. 

Já em todo o país, 1.231.322 mil pedidos aguardam análise. O instituto afirmou que esse número foi o menor estoque de processos de Reconhecimento Inicial de Direitos de Benefícios Previdenciários e Assistenciais dos últimos anos para um mês de janeiro. Desse total, 146.477 pedidos encontram-se em exigência, ou seja, estão parados aguardando alguma ação do segurado para que o INSS possa dar continuidade à análise do pedido. Atualmente, o tempo médio nacional para a conclusão de um pedido no INSS é de 85 dias.

Já o estoque de processos de pedidos iniciais de Benefício por Incapacidade que aguardam a análise pericial realizada pela Secretaria de Perícia Médica Federal é de 562.440. São esses dois grupos que, somados, atingem os mais de 1,7 milhão de segurados.

Ainda em janeiro deste ano, de acordo com o INSS, foram protocolados 579.307 mil novos pedidos de benefício, número que, segundo o instituto, supera os anos anteriores. Foram ainda concluídos 630.836, sendo 146 mil de maneira automática. Ao todo, mais de 365 mil benefícios foram concedidos.

Entre dezembro e janeiro, a fila do INSS aumentou. No final de 2022, o estoque total de pedidos era de 1.087.858. Em nota, o governo afirmou que estuda medidas para acelerar as análises.

“O Ministério da Previdência Social, por meio do INSS, segue trabalhando para garantir o aumento na quantidade de processos analisados por mês. No momento, as equipes estudam todos os processos internos para um diagnóstico da situação atual, visando a proposição de novas medidas que colaborem com a redução do estoque e do tempo médio de concessão”, disse a pasta.

Há falta de servidores e pedidos ainda de 2021, diz sindicalista

Cícero Nogueira, secretário de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Previdência, Saúde e Trabalho do RN (Sindprevs), diz que a alteração do modelo de atendimento anterior, em que o usuário ia diretamente na agência do INSS e já era atendido, para o agendamento prévio pelos canais digitais, não trouxe solução porque o problema é antigo. 

“O problema é a quantidade de mão de obra. A gente avisava lá em 2009, 2010 que o INSS por volta de 2015, 2016, 2018 ia ter uma grande quantidade de pessoas aposentadas porque um percentual muito alto de servidores do INSS já estavam em abono de permanência. Ou seja, já tinham o tempo mínimo para se aposentar. O resultado foi: o governo fazia concurso para mil vagas, 200 vagas, 400 vagas e hoje o nosso déficit de servidores é algo em torno de 23 mil servidores”, aponta.

“Ou seja, se você não tem gente para trabalhar, se você cada vez aumenta a quantidade de pessoas que procuram os benefícios previdenciários e diminui a quantidade de trabalhadores e trabalhadoras que fazem análise num despacho desse processo, a tendência natural disso é criar uma grande fila”, afirma Nogueira.

O servidor, que trabalha na agência do bairro de Lagoa Nova, zona sul de Natal, afirma que o número de cerca de 1,8 milhão de brasileiros na fila de espera pode ser menor que os dados reais. 

“Eu acho que nós já estamos chegando perto da casa dos 3 milhões de benefícios novamente. Não tenho esse dado oficialmente porque no último governo a gente teve uma série de restrições nos acessos às informações e uma dificuldade de fazer um mapeamento desse contingente de segurados que está aguardando”, avisa o diretor, que informou ainda que nos processos em que analisa atualmente há até pedidos datados de outubro de 2021. 

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.