Professores rebatem secretário de planejamento do RN e dizem que não são os responsáveis pela falência do Estado
Natal, RN 27 de mai 2024

Professores rebatem secretário de planejamento do RN e dizem que não são os responsáveis pela falência do Estado

6 de março de 2023
8min
Professores rebatem secretário de planejamento do RN e dizem que não são os responsáveis pela falência do Estado

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Depois que o secretário de Planejamento do Estado, Aldemir Freire, expôs nesse último sábado (4) que o pagamento do novo piso dos professores para 2023 inviabilizaria as contas do Governo, a categoria se manifestou através do sindicato e criticou não apenas a fala do secretário, assim como o atraso no pagamento do acordo de 2022 referente à implantação do piso daquele ano. 

É inaceitável que o governo de uma professora use a imprensa para dizer à população que o investimento nas/os profissionais da educação vai inviabilizar o funcionamento do Estado. As trabalhadoras e trabalhadores da educação não são e nunca foram responsáveis pela falência do Estado. A responsabilidade pela gestão é do governo!”, publicou em nota a coordenação geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte (Sinte/RN).  

Segundo os cálculos expostos pelo secretário de Planejamento do Estado, o pagamento do piso do magistério em 2023 consumiria 92% do que foi projetado como aumento de receitas para todo o ano. Dos R$ 974.752.729, 42 previstos como aumento para 2023 de Receita Corrente Líquida (RCL), R$ 894.628.245,86 seriam consumidos com o pagamento do novo piso dos professores.  

“Queremos refutar a fala do secretário Aldemir Freire de que o piso consumirá 92% da previsão de receitas do Estado. O secretário tenta confundir a sociedade, quando sabe que na verdade esse percentual por ele alegado corresponde não ao piso de 2023, mas à soma do piso de 2023 com a dívida deixada pelo governo no ano anterior (o retroativo de 2022), dívida que o governo deveria ter quitado dentro do ano passado e que a categoria, dentro da sua capacidade de diálogo, aceitou deixar para este ano”, apontou o Sinte/ RN. 

Receita Corrente Líquida (RCL) de 2022: R$ 14.229.966.852,91 

Receita Corrente Líquida (RCL) prevista para 2023: R$ 15.204.719.582,33 

Para 2023, o Ministério da Educação (Mec) anunciou um reajuste de 14,95%. Com isso, o piso dos professores deve passar de R$ 3.84563 para R$ 4.420,55. Mas, a administração de alguns estados e municípios vêm dizendo ter dificuldade em implantar o novo reajuste depois do aumento de 33,24% anunciado pelo Mec em 2022. 

No caso do Rio Grande do Norte, o Governo do Estado havia feito um acordo com os professores que, segundo o sindicato da categoria, não vem sendo cumprido. 

No ano passado, a nossa categoria negociou e aceitou uma proposta parcelada, que trouxe perdas à categoria, com a implantação em 12 vezes do retroativo programado para iniciar em janeiro deste ano. Ocorre que o governo não cumpriu com o pagamento em janeiro, conforme prometeu, adiando-o para março. A nova proposta do governo, mais uma vez, aponta para a implantação do retroativo no ano seguinte, em pelo menos 8 parcelas a partir de maio de 2024”, criticou a categoria. 

Antes do anúncio de Aldemir Freire, os professores da rede estadual de ensino decidiram na última sexta (3) que entrariam em greve. A categoria considerou como “insatisfatórias” as propostas apresentadas pela Secretaria Estadual de Educação (Seec) para o pagamento do reajuste do piso da categoria. Nesta segunda (7), os professores retornam às escolas, mas para conversar com a comunidade escolar sobre a paralisação para, em seguida, dar início à greve oficialmente. 

Sede do |Sinte/ RN, onde foi realizada coletiva de imprensa na manhã desta quarta (25) I Foto: Mirella Lopes
Sede do Sinte/ RN I Foto: Mirella Lopes

Natal: negociação parou em 2020 

Em 2020, o reajuste do Piso dos Professores anunciado pelo Ministério da Educação (Mec) foi de 12,84%. Mas, o prefeito de Natal, Álvaro Dias (Republicanos), vetou parcialmente o aumento, pagando apenas a metade do valor (6,42%), sem estender o benefício aos aposentados. 

Depois do reajuste de 33,24% anunciado para 2022, quando a remuneração passou de R$ 2.886 para R$ 3.845,63, e sem acordo com a categoria, os professores da rede municipal chegaram a fazer greve entre os dias 28 de março e 29 de abril.  

Porém, no dia 08 de abril o desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), Virgílio Macêdo Júnior, determinou o fim da greve dos professores da rede pública de ensino da capital e com a garantia do retorno dos serviços nas escolas por parte do Sinte/ RN, sob pena de multa diária de R$ 10 mil, podendo chegar ao limite de até R$ 100 mil.  

A categoria ainda manteve a paralisação por alguns dias, mas retornou ao trabalho na tentativa de negociar o reajuste na justiça através de audiência de conciliação, o que não aconteceu. 

Somados os valores dos reajustes do piso do magistério ainda não pagos pela Prefeitura de Natal, com o anúncio do Mec para 2023, a dívida do município com o reajuste dos professores chegaria a 50%: 6,42% de 2020 mais 33,24% de 2022 e os 15% de 2023. 

Confira a íntegra da mensagem publicada pelo Sinte/ RN:

Cumprir os direitos dos trabalhadores em educação não inviabiliza o Estado

É inaceitável que o governo de uma professora use a imprensa para dizer à população que o investimento nas/os profissionais da educação vai inviabilizar o funcionamento do Estado. As trabalhadoras e trabalhadores da educação não são e nunca foram responsáveis pela falência do Estado. A responsabilidade pela gestão é do governo! Também não é verdadeiro construir um discurso de que essas/esses trabalhadoras/es são inflexíveis na negociação.

No ano passado, a nossa categoria negociou e aceitou uma proposta parcelada, que trouxe perdas à categoria, com a implantação em 12 vezes do retroativo programado para iniciar em janeiro deste ano. Ocorre que o governo não cumpriu com o pagamento em janeiro, conforme prometeu, adiando-o para março. A nova proposta do governo, mais uma vez, aponta para a implantação do retroativo no ano seguinte, em pelo menos 8 parcelas a partir de maio de 2024.

Além de ser uma proposta para a qual não há garantia do cumprimento (vide o que aconteceu este ano), posterga a implementação do piso para o ano seguinte, renovando a discussão e possível descumprimento com a perspectiva de reajuste de 2024 e a sobra do reajuste de 2022, que passou de 12 para 14 parcelas. O reajuste do ano anterior já está sendo utilizado para justificar a inviabilidade do pagamento de piso este ano, e não podemos aceitar que esse seja o argumento do governo no ano de 2024.
Queremos refutar a fala do secretário Aldemir Freire de que o piso consumirá 92% da previsão de receitas do Estado.

O secretário tenta confundir a sociedade, quando sabe que na verdade esse percentual por ele alegado corresponde não ao piso de 2023, mas à soma do piso de 2023 com a dívida deixada pelo governo no ano anterior (o retroativo de 2022), dívida que o governo deveria ter quitado dentro do ano passado e que a categoria, dentro da sua capacidade de diálogo, aceitou deixar para este ano.

Essa responsabilidade não pode ser colocada nas e nos trabalhadores/as e sim na organização financeira da gestão. Ao iniciar o ano de 2023, o governo já sabia que haveria um retroativo a pagar bem como um novo reajuste para o piso salarial do magistério. É necessário que o governo aponte para uma proposta que contemple a categoria, resgatando o pagamento do piso para o ano de sua aplicação. É necessário que a educação seja considerada prioridade sem colocar sobre seus profissionais o peso da quebra do Estado.

Seguimos abertos à negociação e com a convicção de que a valorização profissional não é um peso e sim um direito que deve ser cumprido pela gestão estadual.

Saiba +

Secretário de Planejamento do RN diz que piso dos professores consumiria 92% do crescimento de receita previsto para 2023

Mec anuncia novo piso do magistério para 2023, mas professores de Natal ainda brigam por reajuste de 2020

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.