Romanceiro Vivo: Clotilde Tavares compartilha memórias e pesquisa em podcast
Natal, RN 13 de abr 2024

Romanceiro Vivo: Clotilde Tavares compartilha memórias e pesquisa em podcast

15 de março de 2023
4min
Romanceiro Vivo: Clotilde Tavares compartilha memórias e pesquisa em podcast

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Criada na cultura popular e estudiosa do tema, a escritora, dramaturga e professora universitária Clotilde Tavares apresenta a série de podcasts “Romanceiro Vivo”, no próximo domingo, 19 de março, às 19h, em plataformas digitais. Após o lançamento, cada novo episódio será disponibilizado sempre às sextas-feiras, a partir das 10h.

A data escolhida é emblemática por ser dia de São José e aniversário da romanceira Dona Militana Salustino do Nascimento (1925-2010), considerada a maior guardiã da memória desse gênero.

Como o título anuncia, a série trata principalmente do romanceiro, poesia tradicional cantada transmitida informalmente, de autoria anônima. Com a simplicidade do tema, o podcast promete também linguagem fácil e divertida, dirigida ao público em geral. Serão oito episódios, com cerca de meia hora. Cada um será encerrado com um romance, cantado por Clotilde e acompanhado pela rabeca do potiguar Caio Padilha, autor também do tema de abertura e das vinhetas.

Apesar de ter sido professora de Folclore na Universidade na Federal do Rio Grande do Norte por 10 anos, o interesse da autora não é apenas acadêmico.

“Desde vinte e poucos anos, eu ainda não era formada, eu já estudava o tema da cultura popular, porque eu fui criada nisso. Eu não me interessei pela cultura popular, eu não me interessei pelo cordel, não, eu fui criada escutando mamãe ler o cordel. Esses romances de que trata o podcast, eu escutava minhas tias cantar balançando minha rede, agregadas familiares que vinham do interior. Eu fui criada ouvindo e isso fez parte da minha formação”, lembra Clotilde.

Mesmo com a presença do músico profissional, o resultado de “Romanceiro Vivo” tem um tom “doméstico”, acredita a autora, reproduzindo a origem do gênero. “As pessoas cantavam não era em palcos pra se exibir. As mulheres cantavam enquanto trabalhavam, cuidavam das crianças, bordavam, teciam”.

Na série, Clotilde explica sobre essas narrativas ibéricas, nascidas na Idade Média, que circulam em Portugal e Espanha, chegando ao Brasil – objeto de estudo compartilhado com o professor Deífilo Gurgel, que a antecedeu na cadeira de Folclore.

A professora se tornou referência no assunto e depois da aposentadoria, em 2002, ouviu muitas sugestões e pedidos de curso com a temática, mas preferiu inovar no formato.

“Curso é uma coisa trabalhosa, porque envolve venda do curso, inscrição, as pessoas pedem bolsa de 50%, tem gente que acha caro,... Dei dois cursos no começo da pandemia, mas eu não tenho paciência. Esse processo de comercialização e de lidar com os alunos pelo meio virtual, não gosto”
, reclama.

Com o podcast, Clotilde vai compartilhar o conhecimento, como nas aulas, mas sem toda a preocupação e formalidade do curso. “Eu vou disponibilizar na internet para quem quiser ouvir, porque aí eu não me preocupo se o aluno tá assistindo a aula, se ele tá dormindo enquanto a aula tá ligada, se ele já pagou, a senha pra entrar, a senha pra sair”.

Serviço| “Romanceiro Vivo”, por Clotilde Tavares
Série de podcasts semanais
Estreia: 19 de março (domingo), 19h, no YouTube, Spotify e outras plataformas
Novos episódios: Toda sexta, 10h

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.