Com arrecadação lenta, indígenas do RN dependem de doações para ida a Brasília
Natal, RN 19 de jun 2024

Com arrecadação lenta, indígenas do RN dependem de doações para ida a Brasília

3 de abril de 2023
3min
Com arrecadação lenta, indígenas do RN dependem de doações para ida a Brasília

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Até esta segunda (03), os indígenas potiguares ainda não tinham conseguido recursos suficientes para cobrir as despesas com uma viagem a Brasília para participar do Acampamento Terra Livre (ATL), programado para acontecer entre os dias 24 e 28 de abril de 2023.

Não temos nada garantido ainda, não temos transporte, nem recursos pra alimentação", lamenta Francisca Bezerra, do Povo Tapuia Tarairiú e Coordenadora da Apoinme (Articulação dos Povos e Organizações Indígenas) no Rio Grande do Norte.

Uma rifa organizada para ajudar na arrecadação que estava programada para março foi remarcada para o dia 10 de abril. As delegações potiguares vão sair do Rio Grande do Norte dia 22 de abril, chegam em Brasília no dia 24 e permanecem por lá até o dia 28. A chegada de volta ao estado está prevista para o dia 30.

Vamos conseguir! Temos muitos parceiros e confiamos nessa luta. O aluguel de um ônibus não é barato, então estamos vendo se conseguimos, pelo menos, o veículo e aí as doações ficam para cobrir a alimentação nesses dias de deslocamento”, revela o cacique Luiz Katu, do território Potiguara Katu, localizado no litoral Sul do RN.

O Acampamento Terra Livre é o maior encontro de povos e organizações indígenas do país e a viagem dos potiguares tem um motivo especial, é que o Rio Grande do Norte é o único estado do país sem terras indígenas demarcadas, uma falha que os potiguares pretendem mudar com a ida à Brasília.

Luiz Katu, cacique indígena I Foto: acervo pessoal
Luiz Katu I Foto: acervo pessoal

“Vamos cumprir uma agenda no Ministério dos Povos Indígenas e na Funai, inclusive nas diretorias da Funai que estão responsáveis pela demarcação de terras indígenas. Vamos também ao Ministério Público Federal e tentar agenda com os ministros porque há terras indígenas ajuizadas no STJ”, detalha o cacique Luiz Katu, do território Potiguara Katu, localizado no litoral Sul do RN.

Apesar de não haver terras demarcadas, o RN tem 4.527 pessoas indígenas e 4.833 quilombolas, segundo a parcial do Censo divulgada em agosto do ano passado. Durante os dias na capital federal, o grupo também planeja passar pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) para conversar sobre a possibilidade de abertura de uma unidade no Rio Grande do Norte.

Veja como ajudar:

Pix José Carlos Tavares da Silva: 087.729.344-92

Pix Francisca Bezerra, do Povo Tapuia Tarairiú: 84 994351633

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.