Vini Jr e o racismo como desumanização
Natal, RN 13 de abr 2024

Vini Jr e o racismo como desumanização

23 de maio de 2023
Vini Jr e o racismo como desumanização

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Por Cefas Carvalho

Causou indignação as cenas registradas durante o jogo Valencia x Real Madrid, no domingo, pelo Campeonato Espanhol, chamado de La Liga. Durante a partida, no Mestalla, em Valencia, torcedores gritaram ofensas racistas ao atacante brasileiro Vinícius Júnior que também sofreu agressões verbais e físicas por parte do goleiro e de um zagueiro adversário. Apesar de ser a vítima, acabou expulso pelo árbitro. As cenas da selvageria e da reação de Vini indignaram o Brasil e correram o Mundo, gerando reações rápidas, como posicionamento de clubes e jogadores e também ação do Ministério da Justiça e do Governo do Brasil em acionar os canais diplomáticos com a Espanha. O combate ao racismo no futebol, um problema registrado com frequência em terras espanholas, pode ser impulsionado com o caso.

Mas se o racismo se manifesta de múltiplas maneiras, das mais sutis e estruturais (segurar a bolsa ou guardar o celular ao ver um rapaz negro se aproximando, achar que o negro de terno no evento é garçom e não palestrante etc) às mais violentas (ação das PMs em periferias) quero me deter em um aspecto objetivo das ofensas contra Vini Junior. Os torcedores valencianos, desde antes do começo da partida, como se viu depois em vídeos, gritavam e cantavam sobre e para o brasileiro a palavra "mono", que significa "macaco" em espanhol. Claro que toda ofensa (negro, preto, fedido, sujo, etc) é dolorosa mas classificar um ser humano como um animal denota um evidente - e perigoso - processo de desumanização.

A desumanização como uma prática política já foi estudada. A filósofa alemã Hannah Arendt, que era judia, estudou o tema no pós-Segunda Guerra, criando o conceito da "banalidade do mal". Obras dos negros estadunidenses Toni Morrison (ela primeira mulher negra a vencer o Nobel de Literatura) e James Baldwin refletem sobre a transformação dos 'outros' dos brancos em categoria subalterna. O filósofo antilhano Frantz Fanon escreveu sobre a existência de teorias que colocavam o negro como o elo entre o homem e o macaco, demonstrando assim o estabelecimento da desumanização dos negros, que, a propósito, ganhou várias facetas com o racismo científico no início do século 20.

Os resultados dessa desumanização, sabemos, são devastadores. Geraram a escravização de pessoas negras, os massacres e mutilações na África, os genocídios armênio e curdo, o holocausto nazista. Ações "justificadas" pelos algozes, afinal, as pessoas envolvidas "não eram exatamente humanas", portanto não mereciam um tratamento humano. É isso que sociologicamente a torcida do Valencia (e de outros times espanhóis e de parcela da população mesmo fora dos estádios) tenta dizer: que Vinícius Júnior é um macaco, logo, não é um ser humano, portanto, pode receber o tratamento dado a um "não humano". Um perigo.

Em tempo: para quem associa a desumanização  ao nazismo e a neofascistas europeus, lembremos que em 2018 um candidato a presidência da República disse em evento da comunidade judaica (que ironia) que negros quilombolas "não serviam nem para procriar, deveriam ser pesados em arrobas". Ora, se sabemos que arroba é medida de peso para gado, logo, os quilombolas não são humanos, ou pelo menos não merecem ser tratados como tal. Esse candidato também havia garantido que não daria um centímetro de terra a mais para os povos indígenas (não apenas cumpriu a promessa como deu condições para o genocídio desse povos) e anteriormente havia dito a uma mulher que ela era tão feia que não merecia ser estuprada (ou seja, se ela fosse bonita, na ótica dele, "merecia" que ele a estuprasse).

Esse cidadão foi eleito presidente da República em 2018, como sabemos. No Brasil, de maioria negra/parda, e não num estádio de Valencia ou em terras europeias de gente branca e loira. Só para registrar.

Que Vinícius Júnior mantenha sua luta contra os racistas. E que nós aqui não limitemos nossa indignação aos europeus de passo colonizador, mas aos que aqui mesmo em terras tupiniquins realizam o processo de desumanização. Que precede o de extermínio. População negra periférica, LGBQIA+ e povos originários que o digam.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.