Prefeitura de Natal fecha único hospital pediátrico do município
Natal, RN 16 de jul 2024

Prefeitura de Natal fecha único hospital pediátrico do município

13 de junho de 2023
Prefeitura de Natal fecha único hospital pediátrico do município

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O Hospital Municipal Pediátrico Nivaldo Júnior, inaugurado em outubro de 2020, encerrou as atividades na segunda-feira (12). A unidade, localizada na Avenida Jaguarari, Candelária, ocupava o lugar do antigo Hospital de Urgência Pediátrica Dra. Sandra Celeste.

Inaugurado com 41 leitos, o hospital estava com 36 leitos, sendo alguns de neonatal e outros leitos clínicos de pediatria para internamento e tratamentos especializados, contando com atendimento infanto-juvenil de saúde mental. A unidade homenageava Nivaldo Junior, pediatra, ex-presidente da Sociedade Potiguar de Pediatria (Sopern) e ex-diretor do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed RN), vítima da covid-19 em 1º de julho de 2020.

“A gente entende que a gestão Álvaro Dias é uma gestão assassina. É um descaso com a saúde, com a população.”, declarou a presidente do Conselho Municipal de Saúde de Natal, Ana Maria Evangelista.

Em novembro de 2021, os servidores já denunciavam que o prefeito Álvaro Dias (PSDB) tinha intenção de acabar com o serviço. A Secretaria Municipal de Saúde negou, mas admitiu que a intenção da Prefeitura é remanejar o atendimento, fazendo um grande complexo hospitalar no Hotel Parque das Costeira enquanto o novo Hospital Municipal de Natal é construído, sem data para a mudança.

De acordo com informações repassadas ao Sindicato dos Servidores da Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaude/RN), 35 leitos serão remanejados para a Maternidade Araken, que além dos atendimentos obstétricos abriga também uma UTI Adulto, atendimento clínico e setor ortopédico. Pacientes internados foram transferidos nesta terça-feira (13) e outros receberam alta pra serem tratados em casa.

“Agora será sobrecarregada, mais uma vez, com a demanda oriunda de um serviço fechado de maneira irresponsável pela Prefeitura de Natal.”, apontou a entidade dos trabalhadores, em nota.

“Vale ressaltar, que Álvaro Dias segue praticando sua política de desmonte e sucateamento dos serviços públicos de saúde de Natal. Além do fechamento do hospital pediátrico, a gestão do prefeito também é responsável pelo fechamento arbitrário do Hospital Municipal de Natal, Unidade Mista do Satélite e tantos outros serviços essenciais que foram retirados da população natalense na surdina.”, alertou o Sindicato.

O vereador de Natal Daniel Valença (PT) esteve no local na manhã desta terça e acompanhou a retirada dos equipamentos. “Nós representamos ao Ministério Público da Saúde, também à Promotoria da Infância e da Juventude e vamos sim lutar até o fim na defesa dos direitos dessas crianças e adolescentes e dos profissionais de saúde que atuam no hospital”, avisou o parlamentar.

Em vídeo divulgado pelo mandato, o assistente social e vice-presidente do Conselho Municipal de Saúde, Marlon Gutemberg, disse que os servidores foram avisados na segunda sobre o fechamento para “reforma”.

“Ao perguntar pra representante da Secretaria se retornariam os pacientes depois da reforma, foi informado que não. A reforma está sendo realizada para a devolução do prédio. Enquanto isso, os pacientes que estão sendo tratados aqui serão admitidos na Maternidade Araken, que se tornará uma materno-infantil. Irão misturar crianças com doenças respiratórias, pneumonia, bronquiolite, junto com recém nascido em uma estrutura hospitalar que já é conhecida pela sua precariedade”, denunciou o assistente social, lembrando que há problemas nos elevadores e partos já ocorreram em escadas.

“Está sendo desmontado um serviço de saúde e essas vagas não serão mais disponibilizadas no Regula. O prefeito Álvaro Dias está desmontando a saúde pública de Natal possivelmente pra que justifique a sua privatização”, completou Marlon.

Na próxima quinta-feira (15), às 15h, haverá uma reunião do Conselho Municipal de Saúde para debater, dentre outras pautas, o fechamento do hospital infantil e da Unidade de Saúde da Família, no Planalto. Os dois equipamentos foram fechados em menos de um mês. A reunião é aberta ao público e será realizada no Sindicato dos Servidores Municipais de Natal (Sinsenat).

A presidente do Conselho Municipal de Saúde de Natal, Ana Maria Evangelista, lembra que ao fecharem o Hospital Municipal de Natal foi dada a justificativa que seria aberta a unidade infantil de referência, que agora não existe mais. 

“O pior disso é que as coisas acontecem na surdina e de forma recorrente. É a segunda unidade que fecha da mesma forma, a exemplo da USF do Planalto. Não notificou o Conselho e desassistiu mais de 10.700 usuários”, denunciou. 

"Os trabalhadores em saúde e a população em geral estão doentes, com o psicológico abalado. Hoje eu estive presente em cenas de mães agarrando seus filhos sem saber pra onde iriam porque sabem que na Araken não tem lugar. Quando adoece o psicológico o resto do corpo vem junto. Isso dói. Não doer em uma pessoa que está na gestão e é um médico, não consigo entender. É difícil você ver isso e não se emocionar, não sentir o que aquelas mães e profissionais estavam sentindo.”, lamentou Ana Maria.

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal não respondeu aos questionamentos da Agência Saiba Mais.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.