Sargento Gonçalves é único deputado do RN a votar contra compensação de ICMS que dará R$ 227 milhões ao Estado
Natal, RN 24 de jun 2024

Sargento Gonçalves é único deputado do RN a votar contra compensação de ICMS que dará R$ 227 milhões ao Estado

18 de setembro de 2023
2min
Sargento Gonçalves é único deputado do RN a votar contra compensação de ICMS que dará R$ 227 milhões ao Estado

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O deputado federal Sargento Gonçalves (PL) foi o único deputado do Rio Grande do Norte a votar contra a proposta que viabiliza a compensação de R$ 27 bilhões da União para Estados e Distrito Federal, em razão da redução do ICMS incidente sobre combustíveis. 

O valor é referente às perdas do período de junho a dezembro de 2022. Para este ano, serão R$ 10 bilhões de volta a todos os entes federativos. 

No RN, essa compensação é de R$ 277,6 milhões, segundo o projeto de lei complementar 136/2023. Do montante, R$ 49,9 milhões já foram compensados, em razão de liminares concedidas no Supremo Tribunal Federal. 

Restam agora R$ 227,6 milhões. A antecipação de valores foi de 2024 para 2023, mas o cronograma de 2025 ainda continua mantido.

O texto aprovado na Câmara prevê ainda transferências ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e ao Fundo de Participação dos Estados (FPE) para recuperar perdas de 2023 em relação a 2022.

A proposta foi aprovada por 349 votos favoráveis a 68 contrários e duas abstenções na última quinta-feira (14) e agora segue para o Senado.

Da bancada potiguar, todos os outros deputados federais deram o voto “sim”. Foram eles: Benes Leocádio (União), Fernando Mineiro (PT), General Girão (PL), João Maia (PL), Natália Bonavides (PT), Paulinho Freire (União) e Robinson Faria (PL).

Perdas com Bolsonaro

Entre agosto e dezembro do ano passado, o RN registrou uma perda de receita da ordem de R$ 440 milhões, em valores corrigidos, pelo corte na alíquota do ICMS, de acordo com a Secretaria de Fazenda.

O ICMS é uma das principais fontes de receita do Estado, mas foi limitado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro em junho do ano passado, ao sancionar a Lei Complementar 194/22. O texto estabeleceu entre 17% e 18% o limite da cobrança do ICMS sobre produtos e serviços essenciais, às vésperas da eleição.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.