Secretária de Saúde do RN denuncia ataque misógino em gestão feminina
Natal, RN 25 de jun 2024

Secretária de Saúde do RN denuncia ataque misógino em gestão feminina

28 de outubro de 2023
4min
Secretária de Saúde do RN denuncia ataque misógino em gestão feminina
Secretária Lyane Ramalho ao lado da governadora do RN, Fátima Bezerra I Foto: Sandro Menezes/Assecom

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Nesta sexta (27), a secretária do Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte, Lyane Ramalho, foi às redes sociais denunciar um ataque misógino sofrido por ela, que assumiu a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) em maio deste ano, com a saída de Cipriano Maia.

A própria secretária da Sesap aproveitou a repercussão do caso para explicar como o preconceito contra a mulher está presente no cotidiano e é utilizado para diminuir o trabalho realizado por elas. Essa forma de pensar é resumida na palavra misoginia, que a própria Lyane Ramalho ajuda a explicar ao divulgar uma fala do ministro dos Direitos Humanos, Silvio de Almeida:

"...é um sentimento ou comportamento que redunda no ato de repulsa ou ódio às mulheres. Pode se manifestar de diferentes formas, em todos os lugares".

Não é de hoje que quando mulheres estão no poder incomodam muito homens machistas. Infelizmente, incomoda até a mulheres também, isso é vergonhoso para nós mulheres. Mas, quero dizer que esse trabalho que a gente vem fazendo no SUS do Rio Grande do Norte vai continuar ainda mais vivo. O que aconteceu ontem só nos dá força para continuar. Quero, inclusive, clamar a mais mulheres para se juntarem a esse movimento que está acontecendo nos rincões do Rio Grande do Norte e se espalhando pelo Nordeste e pelo país, como um todo”, convoca Lyane Ramalho.

Lyane Ramalho I Imagem: reprodução

A titular da Sesap, que recebeu várias demonstrações de apoio após denunciar o ataque, é médica pediatra com doutorado em saúde coletiva.

Estamos num momento maravilhoso, de gestão participativa, não acreditem no que espalham. Nós, da Sesap, temos um diálogo muito forte com os municípios, com os parlamentares, estou aqui para ouvir a todos”, continua a titular da Sesap.

Recentemente, a pasta anunciou como será a implantação da cobertura total da atenção primária à saúde no Rio Grande do Norte, através de uma ação-piloto nacional com participação do Governo do Estado, dos municípios potiguares e do Ministério da Saúde.

O programa, que recebeu o nome de +APS Potiguar, foi criado pela Sesap e esta semana habilitou e credenciou mais de 370 equipes de saúde da família e saúde bucal. O estado recebeu 183 novos profissionais do Programa Mais Médicos, que passam a atuar na atenção primária de 62 municípios do RN e representam um incremento de mais de 50% no número atual de médicos.

Além disso, a Sesap convocou no último dia 24 um total de 56 profissionais para compor as equipes que vão atuar em 15 novos leitos planejados para o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG).

Não vou me calar jamais, estou mais forte do que nunca. Não cedamos à cultura do ódio. Estamos aqui para cultivar amor”, continuou Lyane Ramalho, que agradeceu à gestão da governadora do Estado, Fátima Bezerra (PT), à ministra da Saúde, Nísia Trindade, que esteve no RN recentemente, e ao presidente Lula (PT).

Histórico

O Rio Grande do Norte tem um histórico de pioneirismo das mulheres na política, a começar pela lei estadual nº 660, de 25 de outubro de 1927, que garantiu às potiguares o direito de votar e serem votadas quando nenhuma outra mulher no Brasil exercia esse direito.

A partir da promulgação da lei, mulheres puderam se alistar nas eleições. A mossoroense Celina Guimarães, professora, se tornou aos 29 anos a primeira mulher a votar no Brasil e América Latina, na cidade de Mossoró, em 1927.

Também é do Rio Grande do Norte a primeira mulher eleita prefeita de uma cidade brasileira. Em 1928 Alzira Soriano se tornou prefeita da cidade de Lajes. O feito histórico teve repercussão internacional, com uma manchete no jornal The New York Times, que publicou que “uma mulher foi eleita prefeita de um município do interior do estado do Rio Grande do Norte”, em 8 de setembro daquele ano.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.