Segurança de hotel em Natal será indenizado em R$ 20 mil por agressão
Natal, RN 13 de abr 2024

Segurança de hotel em Natal será indenizado em R$ 20 mil por agressão

24 de outubro de 2023
3min
Segurança de hotel em Natal será indenizado em R$ 20 mil por agressão
Via Costeira de Natal I Foto: Alex Régis

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Um segurança de um hotel localizado na Via Costeira, zona Sul de Natal, agredido por um hóspede, será indenizado pelo ofensor em danos morais estipulados em R$ 20 mil, valor que deve ser corrigido e acrescido de juros de mora. A decisão, em primeira instância, é da 10ª Vara Cível da capital.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte divulgou o caso nesta terça-feira (24), mas omitiu os nomes dos envolvidos.

Segundo o boletim de ocorrência anexado ao processo, em 20 de maio de 2022, por volta das 16h30, o profissional estava no exercício de sua função quando tentou impedir que o hóspede, residente no Pará, utilizasse tirolesa, situada no espaço de lazer, sem os devidos equipamentos de segurança, e foi brutalmente agredido com socos e xingamentos.

A vítima relatou que o réu parecia estar sob efeito de álcool e insistiu em descumprir as regras do local. O segurança teria colocado o braço para impedir que o hóspede tivesse acesso à atividade esportiva, momento em que o turista lhe desferiu diversos golpes na face, além de proferir diversas palavras ofensivas, parando apenas quando outros funcionários do hotel interferiram.

O segurança revelou que tal situação, além dos danos físicos, gerou humilhação e vergonha em relação aos demais hóspedes e colegas funcionários. Por isso, alegou dano moral e pediu indenização.

A Justiça Estadual constatou a veracidade dos fatos com base nos depoimentos e nas provas documentais. Examinou também que, logo após a agressão, o segurança procurou imediatamente providências policiais, conforme boletim de ocorrência, corroborado pelo laudo de exame de corpo delito realizado no mesmo dia e horário, não havendo prova contrária.

“O dano moral é induvidoso. A agressão gera dor física e moral, pois representa humilhação, desrespeito e descaso com uma pessoa que não empreendeu nenhum ato que justificasse tal reação”, assinalou a sentença.

Para o magistrado, “nenhuma pessoa deverá ter sua dignidade violada, sequer por motivos egoísticos, fúteis e vis, como foi o caso dos autos, sobretudo porque estava o autor no exercício de suas funções, agindo naquele momento para preservar a segurança do próprio réu”. Ao estabelecer a indenização, o juiz observou os requisitos da razoabilidade, cumprindo a função reparatória e também aos objetivos punitivo e pedagógico.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.