Prêmio Jabuti tem finalistas do Rio Grande do Norte em 2023
Natal, RN 27 de fev 2024

Prêmio Jabuti tem finalistas do Rio Grande do Norte em 2023

23 de novembro de 2023
5min
Prêmio Jabuti tem finalistas do Rio Grande do Norte em 2023
Ana Caldas Lewinsohn organizou publicação pela editora da UFRN. | Foto: André Marcelino da Silva Lewinsohn

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Duas obras concebidas no Rio Grande do Norte estão entre as finalistas da 65ª edição do Prêmio Jabuti, a mais tradicional premiação literária do Brasil. O livro "A notável história do Homem-Listrado", de Fayga Ostrower, e publicado de forma inédita pela EDUFRN, concorre na categoria Ilustração. E a indígena Eva Potiguara concorre na categoria Fomento à Leitura, com "Álbum Guerreiras da Ancestralidade", do Mulherio das Letras Indígenas.

A Câmara Brasileira do Livro divulgou na terça-feira (21) os cinco finalistas em cada categoria. Os vencedores serão revelados no dia 5 de dezembro, em cerimônia no Theatro Municipal de São Paulo.

A notável história do Homem-Listrado

A obra foi escrita e ilustrada em 1947 pela artista plástica, teórica da arte e professora Fayga Ostrower (1920-2001). Nascida na Polônia, Fayga emigrou em 1934 e se naturalizou brasileira. A artista faleceu no Rio de Janeiro em 2001.

O livro inédito, escrito em alemão e de único exemplar feito à mão, ganhou o mundo pela editora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (EDUFRN) graças à organização da sobrinha-neta Ana Caldas Lewinsohn, atriz, diretora e professora do Departamento de Artes (Deart-UFRN).

Imagem: divulgação

“Ela fez um único exemplar, para dar de presente ao sobrinho, Peter, que foi a primeira criança nascida no Brasil, após fugirem do período de guerra, da Europa. Então foi uma grande alegria esse nascimento! Era a celebração de um recomeço de vida.”, conta Ana Caldas, que conheceu, com impacto, a obra em 2017.

A professora da UFRN lembra que no centenário de nascimento de Fayga, em 2020, a filha da artista que é presidente do Instituto Fayga Ostrower, no Rio de Janeiro, Noni, resolveu fazer um programa de doações de parte das obras do acervo para instituições pelo Brasil.

Fayga em ateliê, no Rio.

“Ela me procura para verificar um lugar em Natal e então sugiro o NAC [Núcleo de Arte e Cultura] da UFRN. Junto a esse processo de doação também recomendo a publicação desse livro. Foi então que decidimos pelo processo de organização da obra, que passou pela tradução para o português pelo meu pai, Thomas Lewinsohn, e por um processo editorial por Rafael Campos, da EDUFRN, que desenhou a tradução com a mesma grafia de Fayga e compôs o livro com a mesma paleta de cores e elementos gráficos utilizados por ela. Foi um processo muito delicado e sensível, abraçado pelo NAC, Abraçado pelo NAC por meio de sua diretora Teodora Alves, e EDUFRN, por meio do editor chefe Helton Rubiano", narra Ana Caldas Lewinsohn, que é de Campinas-SP e vive em Natal desde 2016.

Ao ser questionada se as listras são referência direta aos uniformes de prisioneiros durante o Holocausto, a descendente de Fayga afirma ser uma leitura possível, mas não a única: “É curioso que o nome seja esse e que as listras sejam um motivo de orgulho para a família, como se fosse um traço da identidade. Mas é difícil saber, pois como Fayga não está mais viva, não podemos mais perguntar a ela, mas sim imaginar diversos sentidos possíveis. Creio que cada pessoa pode ter a sua leitura, já que é uma obra bem metafórica, poética.”

O livro está à venda em livrarias e o e-book disponível para download gratuito no repositório da UFRN.

Álbum Guerreiras da Ancestralidade

A indígena Eva Potiguara segue concorrendo ao Prêmio Jabuti na categoria Fomento à Leitura, com a antologia Álbum Guerreiras da Ancestralidade do Mulherio das Letras Indígenas. A escritora também apareceu na lista de 10 finalistas na categoria Poesia, com o livro Aby Ayala Membyra Nhe'Engara: cânticos de uma filha da terra, publicado pela editora UK'A Editorial.

Segundo Eva, a antologia nasceu com o objetivo de dar maior visibilidade à literatura e às histórias de vida de mulheres indígenas e das memórias de seus povos. E no relato sobre a obra cita várias mulheres do seu entorno.

Lançamento do álbum | Foto: Reprodução

O álbum tem a biografia de 75 Indígenas, sendo 12 lideranças e 63 escritoras que publicam poemas e prosas. A obra está disponível para download gratuito em drive do grupo.

SAIBA MAIS: Indígena do RN, Eva Potiguara é semifinalista do Prêmio Jabuti

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.