Sexo frágil: o homem
Natal, RN 11 de dez 2023

Sexo frágil: o homem

18 de novembro de 2023
4min
Sexo frágil: o homem

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar
00:00
00:00

Durante muuuuuuuuito tempo se disse que a mulher é o sexo frágil. Erasmo Carlos cantou isso: “Dizem que a mulher é sexo frágil” – lembram!? Porém, nessa colocação há duas coisas a serem alfinetadas: primeiramente, pensar MULHER como uma categoria que classifica todas as MULHERES, MULHERIDADES e FEMINILIDADES em um único espectro. Isso já está mais que ultrapassado. Somos muitas, diversas e plurais... Definam-nos como MULHERES!

Segundo ponto... de frágil não temos nada. Em uma matéria produzida por Aline Gouveia para o Correio Braziliense intitulada “Mulher é, de fato, o sexo frágil? Especialistas analisam máxima patriarcal” aponta-se que “Apesar das diferenças anatômicas entre os corpos masculinos e femininos, a ideia de que ‘mulher é sexo frágil’ é uma construção social inserida dentro de uma lógica de relação de poder”.

A matéria traz resultados de pesquisas e falas de pesquisadoras que apontam para o quanto, por trás desse discurso, há um constructo do papel submisso e “inferior” que todas as mulheres deveriam desempenhar na sociedade.

Em um dos trechos dessa matéria, Bruna Camilo, cientista política e doutoranda em ciências sociais, afirma que “o mito de que a ‘mulher é sexo frágil’ serve para atribuir características negativas às mulheres. "Mesmo que tenhamos avançado com os direitos femininos, isso ainda é muito forte. Principalmente na ideia de que a mulher é um ser irracional e que o homem é o assertivo e consegue estar em espaços públicos porque tem controle emocional".

Continua Bruna: "Essa maneira de enxergar a mulher é uma forma de reproduzir discursos misóginos", ressalta a pesquisadora, que ainda destaca alguns adjetivos pejorativos, que foram atribuídos às mulheres ao longo do tempo: "submissa, histérica, descontrolada e irracional".

Mas, vamos pensar no quanto é frágil a masculinidade!? Se um homem veste uma camisa cor-de-rosa, a piroca murcha e cai, feito flor em fim de tarde. Se varre uma casa, a piroca vai junto com o lixo pra lixeira. Se lava uma louça, ou dá banho nas crianças, a piroca desse no ralo. Se chora, ah, se chora... a piroca escorre pelo rosto e ensopa o lencinho. Lá se foi embora o homem que existia ali. Frágil de se desmanchar, né!?

Tudo o que foge do violento, do agressivo, da força bruta, do não-emocional faz de um homem um homem, dizem. Contudo, ao desempenhar qualquer atitude que o aproxime mais do emocional, do afetivo, do delicado, é motivo para uma “desmasculinização automática” – esse termo existe a partir de agora, portanto você não vai encontrá-lo nos dicionários.

A masculinidade é frágil enquanto performance, enquanto atitude, enquanto desempenho social. Qualquer deslize se recebe um: “É fresco, é!?” Se o homem não se molda a esse padrão engessado de controlador, ser autônomo, violento, enérgico... perde seu status de homo-machus-alfa-heterotopdasgaláxias.

Para se salvar, o homem alimenta sua misoginia diária, seu pão-nosso machista de todo dia, seu cotidiano violento e violentador com quem não é HOMEM em seu universo patriarcal todo-poderoso. HOMEM, categoria ainda reduzida ao mono, à classificação única e, portanto, FRÁGIL, incapaz de ver sua diversidade e sua pluralidade.

Enquanto nós, MULHERES, já conseguimos nos enxergar de forma multifacetada, entendendo nossos atravessamentos e nossas peculiaridades e idiossincrasias.

Acho justo aqui dizer que Erasmo Carlos quando aponta para a fragilidade da “mulher”, faz, na música, um conserto sobre essa afirmação: “Mas que mentira absurda!... /Sei que a força está com elas... /Na escola em que você foi ensinada /Jamais tirei um dez /Sou forte mas não chego aos seus pés”

E... voltando à matéria... para arrematar essa coluna, trago a fala de Erika Miranda, técnica e ex-atleta de judô, que diz: "Durante toda história, nós mulheres fomos menosprezadas e levadas a pensar que realmente éramos 'frágeis'. Mulher é o ser mais incrível e forte que existe".

MULHERES são os seres mais incríveis e fortes que existem.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.