Caso Giovanni Gabriel: júri popular terá acampamento por justiça
Natal, RN 21 de jun 2024

Caso Giovanni Gabriel: júri popular terá acampamento por justiça

31 de maio de 2024
6min
Caso Giovanni Gabriel: júri popular terá acampamento por justiça

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Marcado para a próxima terça-feira, 4 de junho, o júri popular que vai julgar os quatro acusados pela morte do jovem Giovanni Gabriel de Souza Gomes deve contar com pressão popular e mobilização da sociedade civil. Familiares, amigos e organizações aguardam o julgamento e devem montar acampamento no local, na 1ª Vara Criminal da Comarca de Parnamirim. Panfletagens e ações culturais do hip hop e rap também estão programadas. 

Gabriel foi morto em 2020, aos 18 anos. Morador do Guarapes, na zona oeste de Natal, ele havia saído de casa para visitar a namorada, que morava no Loteamento Cidade Campestre, em Parnamirim. Os acusados pelos crimes de homicídio qualificado, sequestro e ocultação de cadáver são Paullinelle Sidney Campos Silva, Bertoni Vieira Alves, Valdemi Almeida de Andrade e Anderson Adjan Barbosa de Sousa, todos da PM, que respondem atualmente em liberdade.

Uma plenária de mobilização aconteceu na última quarta-feira (29) na UFRN, reunindo diferentes movimentos sociais e estudantis. O Coletivo Nacional de Juventude Negra - Enegrecer, por exemplo, informou que entraria com ofícios solicitando que o Conselho Estadual de Juventude, o Conselho de Igualdade Racial e o Conselho de Direitos Humanos estejam presentes acompanhando o julgamento.

Produtor cultural e presidente municipal da Unidade Popular pelo Socialismo (UP), Mateus Freitas acredita que o júri popular é uma das formas mais eficazes de se conseguir justiça sobre esse caso.

“O sistema judicial brasileiro historicamente é formado para poder proteger a instituição militar e absolver os policiais que cometem crimes como o que Gabriel sofreu. Então a nossa pressão desde o início foi para que esse processo fosse julgado por júri popular. Que não fosse apenas para um juiz e esse juiz tomasse a decisão”, disse.

Para o pesquisador José Rolfran Tavares, que fez um estudo etnográfico nas periferias ao oeste de Parnamirim para o seu mestrado em Antropologia Social, defendido em 2021, a forma como as pessoas lidam com a mortandade da juventude na região em que Gabriel foi capturado pelos policiais mudou a partir deste caso. 

Gabriel foi morto em 2020, aos 18 anos

Nas idas à campo, Tavares constatou que as pichações no território referentes a homicídios de jovens deixaram de informar somente sobre o luto e sobre a tristeza dos familiares e amigos próximos; passaram também a questionar a autoria de outros crimes.

“E essa alteração tem a ver com essa mobilização do caso Giovanni Gabriel e do conjunto de outras mobilizações que aconteceram naquele momento no Brasil e no mundo”, diz José Rolfran, lembrando também do caso George Floyd nos Estados Unidos.

“Aqui no Rio Grande do Norte, o caso que exemplificou a truculência policial, o processo de desvalorização das vidas negras, foi o caso de Giovanni Gabriel”, aponta.

Segundo o pesquisador, independente do resultado do júri, o caso Giovanni Gabriel já mudou a forma como as pessoas localmente compreendem como a polícia deve atuar e como a vida dos jovens deve ser respeitada, “em especial dos jovens negros, que costumam ser o principal alvo desses crimes contra a vida.”

“Essa responsabilização dos policiais, se ocorrer, não vai representar o ponto final da luta para garantir a inviolabilidade do direito à vida da juventude negra. Porque para isso a gente precisa mudar a política de segurança pública que a gente tem no Rio Grande do Norte e no Brasil, que é uma política de segurança que prioriza a proteção da propriedade privada e não a inviolabilidade dos corpos e das vidas”, atesta.

Relembre o caso

Na manhã do dia 5 de junho de 2020, Giovanni Gabriel tinha chegado no Loteamento Cidade Campestre, em Parnamirim, para visitar a namorada. Como o relacionamento não era aprovado pelo pai da garota, Gabriel só a visitava quando os parentes não estavam em casa. Ele costumava esconder a bicicleta numa área próxima à casa para evitar maiores problemas.

Nessa mesma manhã, policiais foram acionados após o roubo de um carro em Parnamirim. O veículo pertencia à cunhada de Paullinelle Sidney Campos Silva, sargento da polícia militar que acionou outros três agentes, todos eles lotados no município de Goianinha, para buscas do veículo e responsável pelo roubo.  O grupo deslocou-se, inclusive, para uma área fora de sua guarnição à procura do veículo.

Foi assim que Bertoni Vieira Alves, Valdemi Almeida de Andrade e Anderson Adjan Barbosa de Souza chegaram a Gabriel. O veículo foi encontrado próximo ao local onde o jovem tinha deixado a bicicleta e o rapaz acabou sendo confundido com o responsável pelo roubo do veículo.

Durante as buscas, policiais abordaram Gabriel, que explicou que estava indo visitar a namorada. Os PMs checaram a veracidade da história dele, liberando-o logo em seguida.

No entanto, ao sair de onde estava, Gabriel foi visto por moradores da região que avisaram a uma outra viatura da PM. Ele foi novamente abordado e chegou a avisar aos policiais que já tinha sido abordado por outra viatura. Mesmo assim, foi colocado dentro da mala do veículo. Essa foi a última vez que Gabriel foi visto com vida.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, Gabriel foi executado a tiros pelos policiais que deixaram o corpo do jovem em São José de Mipibu, distante 30 km de Natal e 20 km de Parnamirim. 

O corpo de Giovani Gabriel só foi encontrado em 14 de junho, depois das buscas realizadas por amigos e familiares do jovem. Gabriel sonhava em ser professor de educação física e servir ao Exército.

Saiba mais

Ato em júri popular pede justiça pelo jovem Gabriel no próximo dia 04

Julgamento do caso Giovanni Gabriel deve ser o 1º júri popular de 2024

Caso Gabriel: Policiais acusados de matar jovem vão a júri popular

Caso Gabriel: Morte de jovem do Guarapes completa três anos com PMs acusados em liberdade

Grito por memória ao jovem Giovanni Gabriel afirma que sem justiça não haverá paz

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.