RN foi estado que mais desmatou para renováveis na Caatinga em 2023
Natal, RN 16 de jun 2024

RN foi estado que mais desmatou para renováveis na Caatinga em 2023

29 de maio de 2024
7min
RN foi estado que mais desmatou para renováveis na Caatinga em 2023
Dados são do relatório divulgado pelo MapBiomas. Foto: arquivo Seridó Vivo

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O Relatório Anual do Desmatamento (RAD), divulgado pelo MapBiomas, revelou que, em 2023, o Rio Grande do Norte foi um dos estados com maior aumento percentual no desmatamento. Os dados, que comparam os anos de 2022 e 2023, mostram um aumento de 161% em um ano: foram 9.135 hectares desmatados em 2023 no RN – desses, sendo quase 9.114 na Caatinga potiguar –, recorde desde o início da medição realizada pelo RAD, em 2019. O que ainda chama atenção é que o RN desmatou 1.369 hectares para energias renováveis na Caatinga em 2023, sendo o estado com mais desmatamento para essa finalidade.

Ao todo, foram 9.135 hectares desmatados em 2023 no Rio Grande do Norte. Créditos: MapBiomas

De acordo com informações extraídas da base de dados do MapBiomas, em 2022 foram 290 hectares desmatados na Caatinga no RN pelos empreendimentos de energias renováveis. O número, que subiu para 1.369 em 2023, mostra um aumento percentual de 372%.

RN desmatou 1.369 hectares para energias renováveis em 2023, um aumento de 372% em relação ao ano anterior. Créditos: MapBiomas

Dos 9135 hectares totais desmatados no RN em 2023, a maior parte é devido à agropecuária. Além da Caatinga, o estudo também verificou desmatamento na área de Mata Atlântica localizada no estado.

Dados gerais do desmatamento no RN em 2023. Créditos: MapBiomas

“Caminhando para ser campeão no desmatamento da Caatinga”

Levando em consideração a Caatinga como um todo, o desmatamento no bioma para empreendimentos de energia eólica e solar atingiu 4.302 hectares no ano de 2023, um aumento percentual de 24% se comparada ao ano anterior. A Caatinga é o bioma mais afetado pelas renováveis, mostra o relatório.

Na Caatinga, a Bahia lidera o desmatamento em geral, com 93.437 hectares – um aumento de 34% em relação a 2022.

Mas, considerando o número de desmatamento causado exclusivamente por empreendimentos de energias renováveis na Caatinga, o Rio Grande do Norte fica em primeiro lugar. Logo atrás, vem:

Piauí - 1031,3 ha
Ceará - 948,6 ha
Bahia - 799,3 ha
Paraíba - 107,8 ha
Pernambuco - 45,6 ha

Considerando demais causas do desmatamento, a área desmatada na Caatinga em 2023 foi de 201.687 hectares, um aumento percentual de mais de 43%, se comparado a 2022, quando foi desmatada uma área de 140.635 hectares na região.

Usinas eólicas e solares no RN. Créditos: Moema Hofstaetter

Os dados da pesquisa atestam as denúncias da sociedade acerca dos impactos socioambientais das energias renováveis. As mobilizações têm sido realizadas por coletivos como o grupo Seridó Vivo, além de agricultores, pescadores e moradores de regiões próximas aos parques eólicos.

Rani Sousa é integrante do Seridó Vivo. Para ela, é uma contradição que as energias renováveis se apresentem como sustentáveis e limpas mas, na prática, acelerem o desmatamento na Caatinga.

“E desmatamento numa área de um bioma único, extremamente importante, e onde já se tem o processo de desertificação. Há muitos anos já ocorre a preocupação da desertificação no Semiárido. E aí você traz uma atividade que se diz sustentável, e ela piora ainda mais essa desertificação, trazendo consequências para a população e para a biodiversidade”, pontua.

E o problema é ainda maior, ressalta Sousa. Ela explica que preservar a Caatinga é importante até mesmo para reduzir o gás carbônico na atmosfera, com o intuito de combater o aquecimento global.

“A Caatinga é muito poderosa no processo de descarbonização, por ela ter uma capacidade de retenção do gás carbônico ainda melhor do que a floresta amazônica, por exemplo. Então a gente precisa ver a Caatinga como um meio de atingir esse processo de descarbonização, que é tão almejado e inclusive um dos argumentos das usinas de energia eólica e fotovoltaica. E a maneira de fazer isso é preservar e também investir no reflorestamento das áreas degradadas”, defende.

No entanto, como mostram os estudos, como o do MapBiomas, o que tem acontecido é o oposto da preservação.

“As áreas mais preservadas de Caatinga são alvo principal desses empreendimentos [renováveis], principalmente porque elas estão em áreas de topos de Serras, que têm os melhores ventos e onde tem a Caatinga mais preservada. E é um modelo que precisa ser visto com urgência”, explica Sousa.

“O Rio Grande do Norte se orgulha em ser o campeão na produção de energia eólica. E está caminhando para ser o campeão no desmatamento da Caatinga”, complementa.

Rani ainda ressalta que existe uma tentativa de grupos como o Seridó Vivo para tornar as seguintes áreas do RN em Unidades de Conservação: Carnaúba dos Dantas, Encostas da Serra de Santana e Serra do Feiticeiro.

Brasil

Em 2023, o desmatamento no país caiu 11,6%. Amazônia e Cerrado representaram mais de 85% da área total desmatada no país.

Pela primeira vez, o Cerrado ultrapassou a Amazônia e apresentou a maior área desmatada entre os biomas, totalizando 1.110.326 hectares e aumento de 67,7%. Na Amazônia, houve redução de 62,2%.

No Pantanal, houve aumento de 59,2% no desmatamento, assim como na área média dos alertas, com aumento de 35,9%, resultando em 158,2 hectares de área média dos eventos de desmatamento (a maior entre os biomas).

Vale ainda mencionar que o Brasil perdeu, nos últimos cinco anos, cerca de 8.558.237 hectares de vegetação nativa, o que equivale a duas vezes o estado do Rio de Janeiro, segundo o relatório do MapBiomas.

O ano de 2023 foi o quinto analisado pelo MapBiomas, que apresenta um "raio-x", desde 2019, de todos os biomas brasileiros, com análises para diferentes recortes territoriais e categorias fundiárias.

A análise dos dados foi realizada pela Agência Saiba Mais em parceria com o grupo Seridó Vivo. A página que contém o relatório completo e demais informações do RAD pode ser acessada aqui.

Matéria atualizada no dia 03/06/2024 com informação sobre Unidades de Conservação.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.