MPRN fará simulação 3D da orla de Natal com mudanças do Plano Diretor
Natal, RN 13 de jun 2024

MPRN fará simulação 3D da orla de Natal com mudanças do Plano Diretor

7 de junho de 2024
7min
MPRN fará simulação 3D da orla de Natal com mudanças do Plano Diretor
Praia de Ponta Negra I Foto: Mirella Lopes

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Na próxima quarta (12), o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) vai realizar uma audiência pública para discutir as novas regras de utilização da orla de Natal, a partir das mudanças estabelecidas na revisão do Plano Diretor de Natal de 2022 (Lei Complementar nº 208/2022). Durante o encontro, será apresentado um estudo técnico com a simulação em modelo tridimensional (3D) de como deve ficar a orla de Natal com as alterações aprovadas.

Aprovado desde 2022, o Plano Diretor de Natal trouxe novas regras para o uso e ocupação das áreas da orla marítima de Natal, cobrindo as praias urbanas de Ponta Negra, Via Costeira, Areia Preta, Ponta do Morcego, Praia do Meio e Redinha. O documento considera as regiões como Áreas Especiais de Interesse Turístico e Paisagístico (AEITPs) e define regras para sua ocupação”, detalha Gilka da Mata, promotora de Justiça.

Saiba +

Verticalização: Procuradora explica como o projeto de Álvaro Dias coloca Natal em risco

Prefeitura tenta encurtar votação de PL que muda gabaritos em Natal

Conheça PEC que propõe privatizar praias e áreas de proteção, como falésias do NE

Moradores temem espigões na Ponta do Morcego; veja como pode ficar

O modelo de simulação 3D foi aplicado nas quatro Áreas Especiais de Interesse Turístico e Paisagístico (AEITP’s), considerando também as alterações propostas pelo Projeto de Lei (PL) Nº 302/2024, que foi enviado à Câmara Municipal pela Prefeitura do Natal, em regime de urgência. O estudo analisa desde o impacto paisagístico, até as questões sociais e ambientais, simulando as alterações abertas nessas áreas.

O Projeto de Lei nº 302/2024 deveria regulamentar as cinco AEITP’s, que exigem uma regulação própria, que considere as especificidades de cada região. Porém, no documento enviado à Câmara Municipal, foram identificadas uma série de brechas que camuflam a ampliação do gabarito de construção nas AEITP’s.

O PL tem apenas oito artigos para regulamentar as cinco AEITP’s: 1- Ponta Negra, 2 - Via Costeira, 3 – Orla Central (Praia de Areia Preta, Praia do Meio e Santos Reis/Forte), 4 – Redinha e 5 - Dunas do Guarapes e Felipe Camarão.

A audiência pública será realizada no auditório da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), das 8h às 13h. Todas as pessoas interessadas podem participar e apresentar materiais de pesquisa.

Imagem: MPRN

O que o PL nº 302/2024 muda na orla de Natal:

AEITP 1 – Ponta Negra

Instituições, como o Fórum Direito à Cidade, preocupadas com as mudanças negativas na paisagem, perda de qualidade de vida e exposição da cidade a eventos extremos provocados pelas alterações, também fizeram simulações de como pode ficar a cidade potiguar com a flexibilização das regras para construções.

No Plano Diretor de Natal de 2022, encaminhado pelo prefeito de Natal, Álvaro Dias (Republicanos), já havia sido aprovada a permissão para construir na Área Non Aedificandi da AEITP 1, em Ponta Negra.

Agora, o PL submete essa área ao mesmo regramento do restante da região, permitindo construções a partir de áreas mais altas que tirem a visão do Morro do Careca para quem passa em direção à Rota do Sol, pela avenida Engenheiro Roberto Freire.

Com o PL, as construções poderão ter até 7,5m2 medidos a partir de qualquer ponto do terreno. Segundo análise feita pelo Fórum Direito à Cidade, a descrição do artigo nº 3 generaliza os modos de definição do gabarito para todas as AEITP’s, o que pode causar confusões na hora do licenciamento de novas obras nesses espaços.

Imagem: Fórum Direito à Cidade

AEITP 2 – Via Costeira

Já na Via Costeira, o PL retoma regulamentação do Plano Diretor de Natal de 1994, modificado em 2007, permitindo construções com até 15 metros de altura (04 pavimentos), acima do meio-fio da via, a avenida Dinarte Mariz.

A configuração do terreno pode exceder os 10 metros de altura. O PL também permite a instalação contígua de edifícios, um após o outro, o que deve agravar as dificuldades de acesso à praia, além de alterar a paisagem e potencializar o assoreamento da área, que já é considerada crítica.

Imagem: Fórum Direito à Cidade

AEITP 3 – Orla Central (Praia de Areia Preta, Praia do Meio e Santos Reis/Forte)
Para esse trecho, o PL repete os gabaritos estabelecidos no Plano Diretor de 2022: na 1ª quadra, logo após a praia, é de 21 metros; passa para 27 metros na 2ª quadra e para 60 metros na 3ª quadra. Porém, o gabarito de construção na Ponta do Morcego salta para 65 metros de altura, apesar do terreno estar mais perto do mar.
As alterações, mais uma vez, ratificam possíveis modificações na paisagem, afetando as vistas do Forte dos Reis Magos e Ponte Navarro, além da Ponta do Morcego.
O PL revoga a Lei nº 3.639/1987, entrando em CONTARDIÇÃO com o próprio Plano Diretor de Natal revisado em 2022. O PL
A Lei estabelece o gabarito máximo de 140 metros para a cidade, exceto para as AEITP’s. Porém, o PL define um conjunto de quadras do bairro de Areia Preta como Área Especial (mancha roxa) com “gabarito máximo do PDN”.

Imagem: Fórum Direito à Cidade

AEITP 4 - Redinha

Essa legislação é inédita, segundo a análise do Fórum. Ela desconsidera as características sociais e ambientais do lugar e permite construções de até 30 metros (10 andares), sem fazer uma gradação da orla em direção à cidade.

O Fórum Direito à Cidade ainda aponta que a própria Semurb realizou vários estudos, aprovados pelo Conselho de Planejamento Urbano e Meio Ambiente de Natal (CONPLAM) em 2017, mas que nunca encaminhados ao Legislativo municipal. No estudo, a área havia sido subdividida em quatro subzonas, sendo uma delas a da África.

AEITP 5 - Dunas do Guarapes e Felipe Camarão

O PL não identifica as características das diferentes áreas que compõe a região. A regulamentação do PL desconsidera tanto o regramento em vigor da ZPA 4 (Lei 4.912/1997) desconsidera tanto o regramento em vigor da ZPA (Zona de Proteção Ambiental) 4 (Lei 4.912/1997).

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.