Gatos, escritoras, avós e despedidas
Natal, RN 17 de jul 2024

Gatos, escritoras, avós e despedidas

6 de julho de 2024
3min
Gatos, escritoras, avós e despedidas

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Essa cônica foi publicada originalmente na coletânea: Histórias de Coser – Uma coletânea em homenagem a histórias contadas por avós – Organizada por Thalita Costa, pela Brecci Books Editora, em 2023.

Minha avó Martiniana era uma gateira raiz. Daquelas que não podia ver um gato na rua que trazia logo pra casa e o transformava em filho. Se estava doente, ela fazia suas próprias alquimias curativas, colhendo suas ervas no quintal e, logo, logo, o bichano estava saudável e gordo, comendo peixe fresco, pescado pelos meus tios e avô.

Ela os batizava com os nomes mais simples e a partir daí conversa com cada um chamando-os pelo nome. Aprendia suas manias e diferenciava suas personalidades. Sabia dos pacifistas e dos brigões. Familiarizava-os. E sua casa era uma casa de gatos. 

Muitas das memórias afetivas que tenho da minha pequena grande leoa Martiniana estão tomadas de gatos, seja descamando peixes e jogando guelras e vísceras para a gataria, seja me puxando pelo braço e falando baixinho pra me mostrar uma sesta por trás da porta da dispensa de alimentos recheada de uma mamãe e sua prole miúda felina linda. Ela me fez amar esses animais. Ela, minha avó, transferiu esse sentimento e esse “querer-bem” aos bigodudos mientos...

Minha avó já partiu, mas me deixou um bocado dela. Todos aqueles/as que partem, deixam, não é mesmo!? Ela me deixou tantas saudades (a memória, às vezes, afaga o coração); me deixou tantas imagens lindas (às vezes, marejo os olhos). Me fez gateira igual a ela.

Estou falando da minha avó gateira porque julho é o mês das avós, é o mês de Sant’Ana, de Nanã. Estou falando dela para que eu possa criar a imagem mais linda: minha avó, no céu dos gatos, recebendo e acolhendo aqueles/as bigodudo/as que partiram justamente nesse mês de julho.

Recebendo “A Gata Cristie”, a gata poeta, que se despediu de sua mãe humana, a colega escritora Mariam Pessah, argentina quase brasileira, no dia dos/as escritores/as. Um dia antes do dia dos avós. Dia de Sant’Ana, dia de Nanã Buruquê, a yabá anciã, a avó, minha avó Martiniana.

Recebendo meu “Eros”, que não ganhou esse nome à toa, ele era um sedutor no andar, no olhar e no galanteio que só alguns gatos “Don. Juan” têm. Eros que me deixou numa quinta-feira à noite, quando partiu pras suas andanças “Juanescas” e seduzido pela minha avó, partiu sob seus cuidados. Deve estar comendo peixe fresco.

Recebendo Tibério Tirésias, o Sancho Pança, a bola de pelo preta que usava gravata branca da amiga escritora/professora Kalina Paiva. É essa a imagem linda que quero criar. Minha avó e seus novos três filhos: “A Gata Cristie”, “Eros” e “Tibério Tirésias”. Filhos de três mulheres escritoras. Filhos de três mulheres que estão menos felizes.

Mas para que essas saudades, para que essas ausências não tomem conta dos nossos corações, ofereço essa imagem às amigas escritoras e a mim mesma: uma avó bondosa, louca por gatos, cuidando dessas criaturinhas que, assim como nossas avós, nos encheram de tanto afeto, de tanta poesia e de tanta humanidade.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.