VOCÊ ESQUECEU A TECLA CAPS LOCK LIGADA!
Natal, RN 15 de jul 2024

VOCÊ ESQUECEU A TECLA CAPS LOCK LIGADA!

10 de julho de 2024
4min
VOCÊ ESQUECEU A TECLA CAPS LOCK LIGADA!

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Sabemos que a geração entre quarenta e cinco e sessenta anos não nasceu e se criou, ao contrário da chamada Geração Z e dos Millenials, com internet e redes sociais. Pelo contrário, eu no alto dos meus 53 anos recém completados recordo de uma juventude tendo de comprar fichas para orelhão e volta e meia tenho de recorrer aos filhotes Pedro e Ananda para instalar aplicativos, formatar celular, essas coisas.

Certas coisas são geracionais mesmo. Como a saudade de tudo que os internautas mais velhos tem e que as novas gerações não compreendem. Cinquentões postam sem parar, principalmente no Facebook, que rock bom era nos anos 80, que as mulheres eram elegantes nos anos 60, que a Natal de antigamente era mais linda, que a São Paulo de antes era mais segura, enfim, uma nostalgia sem fim que vai gerar texto em breve.

Contudo, os cinquentões, para além do hiato geracional, estão mais do que na hora de aprenderem regras básicas de etiqueta digital, que boa parte das vezes, é uma extensão da etiqueta social, ou como nossas avós diziam, da educação básica mesmo. Alguns aspectos me parecem bem peculiares e apesar de aparentemente banais, guardam subtextos e , como tudo na vida, suas complexidades.

Uma dessas atitudes é o uso excessivo e disfuncional de letras maiúsculas na digitação de textos, mensagens e comentários. Eu e alguns amigos sarcásticos chamamos essa prática de 'Síndrome do caps lock ligado'. Referência àquela tecla no lado esquerdo central do teclado que deixa a escrita toda em caixa alta, como era o jargão das redações de jornais.

Parece inofensivo. Mas não é. Porque pela etiqueta digital maiúsculas, quando em um comentário ou conversa, indica falar alto, alteração na voz, necessidade de impor o que se está falando/escrevendo, às vezes começa bem sutil. Você posta uma foto, uma cena de filme, uma análise, a pessoa vai lá e comenta que não concorda, você responde e de repente o cidadão escreve: MAS ESSA É MINHA OPINIÃO, NÃO SOU OBRIGADO A GOSTAR DE TAL COISA!

Pronto, está gritando comigo,penso imediatamente. Aí vou para o grupo de zap é lá estão algumas pessoas se desentendendo por uma questão qualquer. Eis que uma escreve: VOCÊ ENTENDEU ERRADO, MEU CARO! A partir daí começa uma profusão de letras maiúsculas no grupo que chega dói nos olhos. AÍ ELAS COMEÇAM A ESCREVER ASSIM, DANDO A IMPRESSÃO QUE ESTÃO GRITANDO, OU IRRITADAS, OU A QUALQUER MOMENTO VÃO EXPLODIR
Deus me livre apartar briga virtual, que já tentei fazer isso umas três vezes e quase fui apedrejado. Com palavras em caixa alta, claro.

Perguntei à minha filha se nas mensagens entre gente dos 20 e poucos anos a comunicação é assim. Ela disse que não e mostrou mensagens em grupos diversos. A nova geração parece entender que não dá para se ganhar no grito e que o caps lock ligado num diálogo é uma forma de gritar, de impor sua voz. A geração dos 50/60 é a mesma que reclama do mimimi dos dias atuais, que sente saudade dos tempos em que se podia fazer bullying com LGBTQIAs, negros, pessoas com deficiência, indígenas.

Imagine se grupos de zap com a possibilidade do Caps Lock ligado o tempo todo existisse nos idílicos e saudosos anos 80 e 90, sem politicamente correto para atrapalhar:

VOCÊ ENTENDEU ERRADO, BAITOLA, VIADO!
AQUELE ANÃO FEZ ISSO COMIGO!
AH, ESTOU FALANDO DAQUELA PUTA ALI!
PRETO QUANDO NÃO CAGA NA ENTRADA, CAGA NA SAÍDA, COMO VOCÊ SABE.

Recordo da última vez que fui tentar lidar com essa situação, quando após a décima mensagem em maiúsculas coloquei uma mensagem irônica do grupo: "Você esqueceu a tecla Caps Lock ligada!". No que ela respondeu: O NOTEBOOK É MEU, ESCREVO COMO EU QUISER!

Verdade. E nessa democracia eu também bloqueio e desfaço amizade com quem eu quiser. E assim vou civilizando cada vez mais minhas redes e minha vida.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.