DEMOCRACIA

Com aval do PT e do SINTE, Fátima confirma Socorro Batista no comando da Educação; Getúlio ocupará cargo federal

A governadora Fátima Bezerra confirmou nesta quarta-feira (28) o nome da professora aposentada da UERN Socorro Batista no comando da Educação do Rio Grande do Norte. Ela substitui o professor Getúlio Marques, que ocupará um cargo federal a partir de 2023. Socorro trabalha hoje no cargo de secretária-adjunta da Casa Civil com o papel de agilizar e resolver demandas que chegam de vários setores à governadoria. A futura secretária de Educação é uma das auxiliares mais próximas de Fátima.

Além da pasta, a governadora anunciou mais três nomes para compor o 1º escalão: Guilherme Saldanha (Agricultura, Pecuária e Pesca), Pedro Lopes (Administração e Recursos Humanos) e Íris de Oliveira (Trabalho, Habitação e Assistência Social). 

A Educação é estratégica para o Governo. Além da origem sindical na Educação e do apelo da área para a governadora que faz questão de se apresentar como professora, o órgão será responsável por gerenciar o projeto mais ousado da gestão do PT no Estado: os 12 Institutos Estaduais, os IERNs, já batizados de IFs potiguares, escolas técnicas que passaram de 2 para 21 no Rio Grande do Norte durante os governos Lula e Dilma.

A escolha de Socorro Batista foi um consenso no PT e contou com o apoio de lideranças sindicais, como a coordenadora-geral do Sinte Fátima Cardoso. Os parlamentares com mandatos também deram o aval para a indicação.

O chefe da Casa Civil Raimundo Alves e o líder do governo na Assembleia Legislativa Francisco do PT foram dois defensores do nome de Socorro.

A governadora Fátima Bezerra chegou a relutar em perder uma de suas auxiliares mais próximas, mas pesou a pressão interna na legenda e o fato de Socorro já conhecer a estrutura da secretaria de Educação.

A professora Socorro Batista foi indicada em 2015 pela então senadora Fátima Bezerra como adjunta da pasta na gestão Robinson Faria. Após sete meses na função, saiu exonerada ao cobrar do governador, publicamente, o fim da greve dos professores e servidores da UERN. A paralisação já durava mais de 100 dias. Na cerimônia onde ocorreu a cobrança, estava presente a então primeira-dama Julianne Faria.

“Não sendo Getúlio, o nome que a gente defende é o da professora Socorro Batista”, afirmou coordenadora-geral do SINTE

O nome da professora aposentada da UERN Socorro Batista tem o respaldo do Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinte) para assumir a pasta da Educação no 2º governo Fátima.

Em entrevista à agência SAIBA MAIS, a coordenadora geral da entidade Fátima Cardoso elogiou o atual gestor do órgão, mas disse a preferência do Sindicato, em caso de mudança, sempre foi por Socorro Batista:

– Socorro é de ação, não espera as coisas acontecerem. No movimento sindical temos esse perfil de buscar, de mediar, apresentar respostas é muito importante pra gente. E a capacidade técnica dela é enorme, tem vasto conhecimento, especialmente na educação básica, conhece os problemas estruturais da educação básica. Então Socorro é uma pessoa que reúne as condições que o movimento sindical precisa. Ela tem sido muito ágil na Casa Civil e se a ida para a Educação se materializar esperamos que tenha esse mesmo perfil”, disse.

Apesar da preferência, a sindicalista fez questão de ressaltar que a governadora sempre teve total liberdade para fazer as escolhas que achasse melhor:

 – Nas discussões internas dentro do Partido, sempre deixamos claro que Fátima tem a liberdade de fazer a escolha do secretariado. Mas em se tratando de mudanças deixamos claro que também teríamos nossas preferências. E Socorro Batista é um nome muito bom, muito capacitada e muito sensível à natureza dos problemas relacionados à educação. Para nós, repito, caso Getúlio deixe mesmo o Governo, Socorro é o nome”, afirma.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Previous ArticleNext Article
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"